Por Luciana Ramos

 

Passado o entusiasmo do surgimento das redes sociais, como a observação da sua capacidade de diminuir distâncias geográficas e espalhar conhecimentos, notou-se, em cada uma delas, um contraponto perigoso: a potencialização de mentiras, preconceitos e ódio, polarizando as pessoas ao invés de uni-las em torno de um debate.

A exacerbação dos ânimos no ambiente virtual levou o jornalista Jon Ronson a dissecar a questão em “Humilhado”, livro onde analisa como as vidas de alguns cidadãos americanos foram destruídas por conta de twittes infelizes. Sua argumentação principal é o ressurgimento dos antigos linchamentos públicos, com a substituição das vilas onde pessoas eram enforcadas pela confortável anonimidade que a internet possibilita. A cada comentário, curtida ou replicação, o usuário demonstra o poder de soterrar um caso ou elevá-lo a um patamar destrutivo sem necessariamente checar a sua veracidade.

 

É exatamente este o ponto central de “Aos Teus Olhos”. Através da observação de um dia conturbado na vida do carismático professor de natação Rubens (Daniel de Oliveira), disseca-se a inflamação de uma acusação grave – de pedofilia – sem a devida análise do mérito da questão. Para isso, são oferecidas bases para argumentações de ambos os lados: se, logo na primeira cena, a trama oferece certo distanciamento do protagonista pelas suas colocações misóginas e politicamente incorretas, também pontua a pressa da mãe de Alex (Stella Rabello) em condenar sem ouvir a defesa do professor. De fato, a tese do longa pode ser sintetizada na passagem em que ela escreve para os pais de outros alunos em um grupo de whatsapp: a cada frase, substitui-se uma palavra por outra, mais hiperbólica, de maior potencial inflamatório.

Inevitavelmente, a alegação de que Rubens passou dos limites e beijou Alex (Luiz Felipe Mello) leva a investigações, tanto por parte da diretora do clube, Ana (Malu Galli), quanto pelo pai do garoto (Marco Ricca), que procura as autoridades. No entanto, a obra, ao mostrar o encadeamento de consequências em um curto espaço de tempo, argumenta a pequenez da verdade diante da repercussão do caso: a inocência é apenas um detalhe quando as pessoas, sem total conhecimento dos fatos, tomam para si o papel de juízes-algozes.

Se o novo filme de Carolina Jabor consegue tecer sua narrativa de forma clara e atraente, construindo um clima de tensão que em nenhum momento é quebrado, por outro escorrega em alguns elementos narrativos, aproximando seu filme, por vezes, da superficialidade.

Há uma clara intenção de trazer dubiedade aos diálogos, o que os torna forçados e, por isso, insatisfatórios. É o caso do confronto entre os personagens de Daniel de Oliveira e Marco Ricca em um momento crucial, que não atinge o efeito desejado pela incapacidade de abordar o tema sem remeter-se a falas esquemáticas e clichês. Do mesmo mal sofre a personagem Malu Galli, pautada na incerteza. A oscilação do seu posicionamento deveria ser um trunfo por explanar a dificuldade de enxergar a clareza na história, mas o roteiro não parece saber como abordá-la, tornando Ana uma mulher fraca, mera observadora passiva dos acontecimentos.

 

Essas questões narrativas, ainda que sejam incapazes de serem suprimidas, são suavizadas pela atuação de Daniel de Oliveira, que carrega o filme com uma performance certeira, alinhando o carisma que traz simpatia aos olhos do espectador com uma aura de predador, presente em comentários pontuais, que cria desconfianças.

Ainda que contenha imperfeições, “Aos Teus Olhos” tece um interessante debate acerca do uso indevido das redes sociais como arma de julgamento público. Ainda que não ofereça o mesmo impacto que o dinamarquês “A Caça”, com quem divide similaridade temática, consegue levantar pontos de reflexão em uma trama simples, que deixa a cargo dos olhos do espectador a busca pela verdade.

 

 

Pôster

 

 

 

Ficha Técnica

Ano: 2018

Duração: 90 min

Direção: Carolina Jabor

Elenco: Daniel de Oliveira, Marco Ricca, Malu Galli

 

Trailer:

 

 

Imagens:

 

 

Avaliação do Filme

Veja Também:

7 Dias em Entebbe

Por Luciana Ramos   Quando apresentado no Festival de Berlim deste ano, “7 Dias em Entebbe” foi criticado por parte...

LEIA MAIS

Quase Memória

Por Bruno Tavares   Ruy Guerra é um dos ícones do período do Cinema Novo brasileiro. Ao lado de outras...

LEIA MAIS

A Noiva do Deserto

Por Melissa Vassali   Quantos quilômetros são necessários para se fazer um road movie? “A Noiva do Deserto” nos mostra...

LEIA MAIS