Nos tempos áureos da chamada era de ouro, magnatas da indústria disputavam poder e bilheteria com produções pautadas na resposta comercial, mas também no que desejavam projetar enquanto líderes do entretenimento. Há muito esse molde de produção foi remanejado, descartado e renascido em outra forma. No processo, a criação dos filmes pulverizou-se nas mãos de diversos produtores e a figura do “magnata de cinema” foi esquecido. No entanto, uma personalidade aproxima-se desse perfil pelo modo com que conduz os negócios: Harvey Weinstein.

Nome por trás de obras como “Shakespeare Apaixonado”, “Gangues de Nova York”, “O Lado Bom da Vida”, “O Paciente Inglês” e todos os filmes de Quentin Tarantino, ele comanda a The Weinstein Company com seu irmão Bob desde 2005, após a dupla ter deixado a Miramax, fundada por eles. É conhecido nos bastidores pela personalidade forte e instintiva, além da avidez pelo reconhecimento: na época de premiações, é comum vê-lo ao lado das estrelas de suas principais produções fazendo campanhas em jantares patrocinados.

 

Seu faro por bons filmes – que consigam ao mesmo tempo aceitação comercial e crítica – é há muito enaltecido, mas uma das suas grandes apostas tem feito Hollywood reavaliar essa posição. Filmado em 2014, “Amor e Tulipas” foi vendido por ele como “um filme de arte” a quem quisesse ouvir. No Festival de Cannes de 2015, ele mostrou clipes dessa obra em uma coletiva, onde apresentou novos nomes nos quais apostava: Dane DeHaan e Alicia Vikander, ainda relativamente desconhecidos.  A confiança era tanta no sucesso que Harvey comprou os direitos do livro no qual baseou o roteiro antes da publicação. O romance de Deborah Moggach tornou-se um best-seller e histórias de bastidores contam que Harvey empenhou-se em impulsionar a carreira de seus atores, estrategicamente botando-os em outras produções que fornecessem maior projeção à “Amor e Tulipas”.

No entanto, 2016 chegou e o longa foi mais uma vez postergado. De fato, foram quatro mudanças até o momento – sempre sem explicações e incluindo reposicionamentos sobre a amplitude da estreia – e o estranhamento causado aguçou os instintos dos jornalistas, que averiguaram que a TWC (The Weinstein Company), um dos maiores players de Hollywood, passa por dificuldades financeiras e já realizou uma onda de demissão em massa.

Mesmo assim, “Amor e Tulipas” não foi completamente engavetado. Após quatro anos de indecisão,  parece que o longa finalmente verá a luz do dia em setembro. Na última semana, porém, veio mais uma surpresa: as cabines de imprensa (eventos onde jornalistas assistem para escreverem sobre os filmes) foram todas canceladas nos Estados Unidos.  Junto, veio o aviso de que todos que viram à uma versão inicial do longa (exibida em 2015) deverão assinar um termo que os proíbe de postar qualquer crítica até o lançamento oficial, dia 01. Recursos como esse são usados em casos especiais, geralmente quando o produtor tem pleno conhecimento do impacto negativo que sua obra terá nos cinemas. É, dessa forma, uma medida de apaziguamento de impacto.

Diante dessa curiosa saga, especulações florescem sobre “Amor e Tulipas”, história de um jovem artista que se apaixona pela mulher que foi contratado para pintar. Juntos, os amantes apostam no mercado especulativo de tulipas para conseguirem dinheiro para a fuga. Um trailer  para maiores foi divulgado recentemente, mostrando detalhes da produção, que conta ainda com Judi Dench, Cara Delevigne e Christoph Waltz no elenco.

 

Nessa mesma semana, Harvey Weinstein divulgou que outra aposta da empresa foi adiada: “Mary Madgalene”, filme com Rooney Mara e Joaquin Phoenix, foi transferido do Natal (época propícia para premiações) para a Páscoa. Ele alega que o longa ainda não está finalizado e precisa de mais tempo. Deve-se ponderar que, nesse caso, a estratégia pode revelar-se inteligente, dado seu o tom bíblico, que o leva a ser muito consumido na época do feriado católico.

 

Fontes: Little Gold Men (Vanity Fair), Variety

Veja Também:

Mostra Internacional de Cinema em São Paulo divulga premiados da 45ª edição

Durante duas semanas, aficionados pela sétima arte puderam conferir uma seleção de mais de 200 filmes de diversas nacionalidades e...

LEIA MAIS

Começa hoje em formato híbrido a 45ª Mostra Internacional de Cinema SP

A Mostra Internacional de Cinema SP realiza entre hoje, 21 de outubro, e o dia 03 de novembro de 2021...

LEIA MAIS

Marvel processa criadores para reter controle de seus personagens

A Marvel entrou com uma série de processos contra criadores de seus personagens mais famosos ou as fundações que cuidam...

LEIA MAIS