Por Luciana Ramos

 

Dona de um conjunto de obras consistente e numeroso, Agatha Christie explorou o universo enigmático dos crimes através do seu personagem mais famoso, Hercule Poirot. Dentre suas obras, “Assassinato no Expresso do Oriente” talvez seja a mais famosa, já que tomou os leitores de assalto quando publicada, em 1934, pela complexidade e originalidade com que teceu um final muito além dos clichês da época.

 

Com o tempo, esse tipo de narrativa foi se reproduzindo e, assim, tornando-se mais esperado pelo público, mas, quando a adaptação da obra chegou aos cinemas quarenta anos depois, em 1974, a força da escrita de Christie mostrou-se mais uma vez: em um filme com elenco estelar e cenografia luxuosa, Sidney Lumet explorou os pequenos trejeitos de cada personagem, transformando-os em possíveis indícios de culpabilidade. A narrativa, no entanto, quando observada à luz atual, deixa muito a desejar, já que o diretor se apoia bastante em recursos literários (comuns ao cinema mudo) para explicar a trama: o prólogo, em especial, utiliza essa ferramenta autoexplicativa, o que acaba destruindo qualquer expectativa de mistério, pois indica ao espectador qual será o desfecho da obra.

 

 

 

Ao contrário do longa de Lumet, a nova versão de “Assassinato no Expresso do Oriente” fornece menos informações, de maneira mais espaçada, sempre entrelaçadas a situações que forçam os personagens suspeitos a agirem e, assim, revelarem um pouco mais de si. A abordagem de Kenneth Brannagh, que ainda se preocupa em incorporar mais cenas entre os depoimentos para tornar a narrativa dinâmica, mostra-se infinitamente superior não só em roteiro, mas também em estilo.

 

Tratando-se de um espaço confinado (o interior de um trem parado por uma avalanche), Brannagh consegue explorar as potencialidades do local, usando de closes mais claustrofóbicos quando convém a tomadas panorâmicas que deixam o local do crime para explorar os arredores e, assim, enfatizar o confinamento físico a que todos os personagens estão submetidos. Com movimentos quase contínuos, passeia pelo trem, se permitindo a construir planos mais estranhos, angulosos ou filmados de cima, que se encaixam na teatralidade da narrativa.

 

A história, por sua vez, apresenta Hercule Poirot (interpretado pelo próprio Kenneth Brannagh) como uma mente brilhante para, em seguida, propor um desafio: um homem (Johnny Depp) que vinha recebendo bilhetes ameaçadores aparece morto no Expresso do Oriente, o trem mais luxuoso dos anos 30. Para ele, até que se prove o contrário, todos os viajantes do vagão podem ser considerados suspeitos e, à medida em que investiga, mais duvidas acerca da honestidade dessas pessoas povoa seu pensamento.

 

 

 

Eventos estranhos, extraordinários continuam a ocorrer e embaralhar o pensamento lógico do detetive. Este responde aos fatos com uma obsessão pelos detalhes que o torna extravagante e ajuda a quebrar um pouco da tensão do longa com sagazes pitadas de humor. A diversidade de personalidades que compõe o corpo de suspeitos é um outro atrativo, pois fornece mais riqueza ao todo fílmico, algo enfatizado pelo talento do elenco de peso que compõe o filme.

 

Quando enfim Poirot chega a conclusão de sua investigação, o espectador sacia sua expectativa de diversão, provocação e encantamento estético. Não obstante, o filme ainda deixa indícios de que há espaço para mais um filme investigativo com o detetive belga, dessa vez no Egito.

 

Pôster

 

 

 

Ficha Técnica

Ano: 2017

Duração: 114 min

Gênero: drama, policial, mistério

Diretor: Kenneth Brannagh

Elenco: Kenneth Brannagh, Michelle Pfeiffer, Daisy Ridley, Judi Dench, Olivia Coleman, Willem Dafoe, Josh Gad

 

 

Trailer:

 

 

 

Imagens:

 

Avaliação do Filme

Veja Também:

Uma Verdade Mais Inconveniente

Por Luciana Ramos   Em 2006, o documentário “Uma Verdade Inconveniente” abriu uma ampla discussão sobre o aquecimento global, unindo...

LEIA MAIS

De Volta Para Casa

Por Luciana Ramos   No dia de seu aniversário de 40 anos, Alice (Reese Witherspoon) se encontra distante de onde...

LEIA MAIS

Doentes de Amor

Por Luciana Ramos   Garoto conhece garota. A atração mútua cresce e transforma-se em um relacionamento. Os dois tem diferentes...

LEIA MAIS