Por Luciana Ramos

 

Olhando as suas terras, Hap Jackson (Rob Morgan) lembra a história do avô e sente que aquele terreno não é de fato seu: historicamente, brancos arranjaram desculpas para tomar a posse dos negros, forçando-os a recomeçarem em outro lugar. A chegada de Henry (Jason Clarke), de certa forma, reafirma tal convicção: dono da fazenda onde Hap é arrendatário, ele exige cada vez mais, sempre em tom de ameaça. Em determinado momento, sua mulher, Florence (Mary J Blige), é “requerida” a largar seus filhos por três dias para ajudar a jovem Laura (Carey Mulligan) a cuidar das suas meninas, doentes com escarlatina. Incapaz de confrontar o casal por medo de retaliação, aquiesce, repetindo na sua mente que não é um objeto para ser possuído por outra pessoa.

 

A silenciosa angústia sentida por Hap e Florence é desafiada com a volta do filho Ronsel (Jason Mitchell) da Segunda Guerra Mundial. Além dos horrores experimentados no campo de batalha, ele também pôde sentir a liberdade acompanhada do respeito. De volta ao Mississippi, tem dificuldades em aceitar o escancarado preconceito com que é tratado, que pretende humilhá-lo e reduzi-lo. Tendo sua atitude condenada pelos pais, acha em Jamie (Garret Hedlund), irmão de Henry, um amigo. Ambos veteranos, conversam sobre como as experiências passadas o moldaram e, consequentemente, como sentem-se desconexos da realidade do sul americano. A amizade entre eles, porém, deve ser mantida em segredo para segurança de ambos.

 

 

As experiências dessas pessoas ajudam a compor o panorama da vivência no sul americano na década de 50, onde a segregação imperava e os negros viam-se de mãos atadas. A escolha da localidade não é por acaso: o Mississippi foi um dos estados de maior repressão racial, onde grupos nojentos como KKK agiam sem escrúpulos. “Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi” escancara a ferida ao trabalhar a tensão entre uma família branca e uma negra, oferecendo perspectivas diferentes sobre os fatos.

 

As seis vozes que narram o filme contam experiências diferentes, mas que tem em comum o fato de terem sido decisivas para moldarem suas personalidades. A dissonância de impressões sobre o mundo oferece por si só complexidade a história, acentuada pela escolha da diretora e roteirista Dee Rees (que co-escreveu com Virgil Williams) em fugir de generalizações simplórias. Na trama, nem todas as personagens brancas são desprovidas de caráter, como é o caso de Laura e Jamie, construídos como compreensivos e empáticos, embora infelizes por sentirem-se presos. Mesmo assim, a mulher não se salva de reproduzir a premissa que suas necessidades vêm acima das de Florence e ele exprime certa ignorância ao não dimensionar o quanto sua presença impõe um potencial risco a Ronsel.

 

 

Tecido como um épico, o filme explora a beleza da zona rural com enquadramentos grandiosos, que apresentam novos elementos à cena com lentas e constantes movimentações. A fotografia de Rachel Morrison destaca-se ainda por tecer um jogo de cores e sombras em belíssimos planos. As imagens são potencializadas pelas competentes atuações do elenco diverso e em sintonia, que sabe pontuar as nuances do roteiro. Rob Morgan e Mary J. Blige, em especial, conseguem traduzir a complexidade de sentimentos experimentadas por Hap e Florence com uma sutileza tocante.

 

Com construções imagéticas fortes e poderosas, “Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi”, adaptação do romance de Hillary Scott, oferece um panorama amplo e impactante do racismo no sul americano dos anos 50 que, como a lama que impede Laura de se sentir limpa, impregna e contamina todos os ambientes.

 

 

Pôster

 

 

Ficha Técnica

Ano: 2018

Duração: 134 min

Gênero: drama

Diretora: Dee Rees

Elenco: Carey Mulligan, Garret Hedlund, Jason Mitchell, Rob Morgan, Mary J Blige, Jason Clarke, Jonathan Banks

 

Trailer:

 

 

 

 

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

7 Dias em Entebbe

Por Luciana Ramos   Quando apresentado no Festival de Berlim deste ano, “7 Dias em Entebbe” foi criticado por parte...

LEIA MAIS

Quase Memória

Por Bruno Tavares   Ruy Guerra é um dos ícones do período do Cinema Novo brasileiro. Ao lado de outras...

LEIA MAIS

Aos Teus Olhos

Por Luciana Ramos   Passado o entusiasmo do surgimento das redes sociais, como a observação da sua capacidade de diminuir...

LEIA MAIS