Por Luciana Ramos

 

Em tempos turbulentos, as sociedades buscam em seus líderes alguém que lhes ofereça a sensação perdida de segurança. Em 1940, no início da Segunda Guerra Mundial, esse homem não era o comedido Neville Chamberlain (Ronald Pickup), com seus constantes discursos sobre negociação de paz com a Alemanha Nazista.

 

Ao armar sua derrocada, o irascível e irônico Winston Churchill (Gary Oldman) chega ao cargo de Primeiro-Ministro, muito para a desaprovação do Rei George VI (Ben Mendelsohn). Ele é recepcionado com um cenário aterrorizante: a Bélgica e Holanda foram invadidas por Hitler e a França está na iminência de sucumbir. Todo o exército britânico encontra-se ilhado em Calais e Dunquerque e, por isso, ele arma a Operação Dínamo, que tem como objetivo a evacuação de 300.000 homens, algo visto como irrealista por seus ávidos opositores.

 

 

“O Destino de Uma Nação” escolhe ater-se aos treze dias decisivos entre sua posse e a concretização do seu plano, enquanto sofre pressão para firmar um acordo de paz com Hitler via Mussolini afim de preservar seu país, visto que todas as previsões davam como certa a conquista do território pela Alemanha. Esta ideia, no entanto, é enfaticamente repelida por ele por diversas vezes, um misto de teimosia, estratégia e resistência. Cada vez mais acuado, Churchill tem que lutar para ganhar apoio da Câmara e continuar no cargo, além de conceber alternativas viáveis para a manutenção da integridade territorial e moral da nação que governa.

 

Bem concebido em todos os aspectos narrativos e técnicos, o filme de Joe Wright acerta no tom gradual de tensão, suavizado pelas colocações ao mesmo tempo rabugentas e bem-humoradas do seu protagonista. Sem ser excessivamente pedagógico, o filme retrata em detalhes eventos históricos com a romantização esperada, mas sem jamais perder sua qualidade narrativa.

 

Esta é substanciada pelo impecável trabalho técnico. O diretor, conhecido por longos planos-sequência (como o de “Desejo e Reparação”) dissolve esse recurso em seu novo longa, usando uma câmera ágil que traça pequenos movimentos em todas as cenas, concedendo ritmo à obra.

 

A fotografia, por sua vez, trabalha com a escuridão a que o título original se refere (“The Darkest Hour”, ou a hora mais escura, em português), inserindo um único ponto de luz em cada enquadramento e curiosamente deixando o seu protagonista sempre atuando nas sombras. A isso, somam-se planos que confinam Churchill em pequenos espaços, oferecendo a sensação de acuamento e claustrofobia. Um dos exemplos é a cena em que ele discute com o Visconde Halifax e é deixado do lado de fora de uma sala, sendo enquadrado dentro da janela da porta, com tudo ao redor submerso na escuridão.

 

 

 

O cuidado do trabalho artístico é enaltecido pelas excelentes atuações, como a de Lily James, que confere um olhar humanizado à trama no papel da secretária de Churchill, e no de Kristin Scott Thomas, numa performance que equilibra a amorosidade marital com colocações ácidas, servindo como um respiro às passagens mais sombrias.

 

No entanto, o grande mérito do filme é, sem dúvidas, a atuação de Gary Oldman. Neste papel, ele realiza um dos trabalhos mais desafiadores de um ator (e recompensados em premiações, como tem sido o caso com ele): a total transformação em outra pessoa. Por meio de próteses, enchimentos e pesada maquiagem, os traços visuais e trejeitos de Oldman perdem-se totalmente e o que emerge é uma caracterização detalhada e irreparável de Winston Churchill. Nos mínimos detalhes, seja nos resmungos, nos pequenos movimentos ou nos rompantes de raiva, é possível ver a encarnação de um personagem complexo e, por isso, aprofundado.

 

Polêmico e longe de ser unânime, Winston Churchill governou o Reino Unido com pulso firme, sendo inegável a sua contribuição para o desenrolar da Segunda Guerra Mundial. “O Destino de Uma Nação” propõe-se a homenageá-lo através da retratação do seu desempenho nos momentos mais cruciais desse período onde, mesmo acuado e, por vezes, amedrontado, ele não arrefeceu diante do seu dever de defender o povo britânico. Para quem deseja saber mais sobre os eventos descritos no filme, fica a recomendação para (re)ver “Dunkirk”, de Christopher Nolan.

 

Pôster

 

 

 

Ficha Técnica

 

Ano: 2017

Duração: 124 min

Gênero: drama, biografia

Diretor: Joe Wright

Elenco: Gary Oldman, Lily James, Bem Mendelsohn, Kristin Scott Thomas

 

Trailer:

 

 

 

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

7 Dias em Entebbe

Por Luciana Ramos   Quando apresentado no Festival de Berlim deste ano, “7 Dias em Entebbe” foi criticado por parte...

LEIA MAIS

Quase Memória

Por Bruno Tavares   Ruy Guerra é um dos ícones do período do Cinema Novo brasileiro. Ao lado de outras...

LEIA MAIS

Aos Teus Olhos

Por Luciana Ramos   Passado o entusiasmo do surgimento das redes sociais, como a observação da sua capacidade de diminuir...

LEIA MAIS