Por Marina Lordelo

 

Paul T. Anderson tem uma atuação consistente no cinema estadunidense como diretor e roteirista, especialmente em obras como “Boogie Nights: Prazer Sem Limites” (1997), “Magnólia” (1999) e “Sangue Negro” (2007). O seu último lançamento, “Trama Fantasma” (2017), teve grande aceitação da crítica, em parte por atribuir discurso (ainda que questionável) à controversa temática da fetichização, mas também por conta de sua forma cinematograficamente coerente combinando ritmo, cadência na montagem e preciosismo imagético.

 

Indicado a seis estatuetas do Oscar, incluindo melhor filme, melhor diretor, melhor atriz coadjuvante e melhor ator, “Trama Fantasma” deposita suas maiores chances nesta última categoria. Daniel Day-Lewis é Reynolds Woodcock, um importante estilista de vestidos elegantes da Inglaterra do pós-guerra, que, dedicado ao trabalho criativo, busca inspiração em sua acompanhante e modelo Alma (Vicky Krieps).

 

 

Com uma trilha sonora que transita entre o jazz de Oscar Peterson, o clássico de Debussy, Brahms e Schubert e as composições originais do jovem Jonny Greenwood, a narrativa ganha um ritmo eficiente, ainda que necessariamente morosa em seu primeiro ato. Assim como uma obra de música erudita, o filme é um engenho de diferentes instrumentos sinfônicos que segue uma complexidade genuína, declaradamente aprisionado pelo pentagrama de um roteiro concebido por uma mente masculina.

 

E se Anderson assume a sua descrença em relações afetivas através do quase intragável Woodcock, entrega sua percepção verossímil da condição humana, que não é maniqueísta e muito menos unidimensional. Econômico nos diálogos e investido no potencial das imagens, a chama que sustenta a linguagem escolhida pelo diretor está na atuação preciosa de Day-Lewis, que é capaz de assumir a impenetrabilidade de seu personagem paradoxalmente frágil e destruído por seus traumas pregressos e por uma vida desprovida de afeto. Salvaguardado pela atuação competente de Krieps, Alma é uma mulher absolutamente condescendente – respeita os limites impostos, fala pouco e se contenta com migalhas. Mas a transformação da musa é dinâmica e sem remorsos (de ambas as partes), ainda que seja uma personagem teleológica e que está ali para cumprir uma lamentável função – questionar a zona de conforto do vaidoso burguês.

 

 

Além das questões políticas e de gênero que o filme transita, “Trama Fantasma” declara onde deseja ir em uma sequência delicada, quando uma mulher da elite local nitidamente destruída pelas pressões de seu contexto socioeconômico voraz “não é digna de um vestido da casa Woodcock”, mais uma vítima de absoluta falta de empatia. E assim Anderson faz o seu espectador se sentir, desajustado, incomodado e descrente, ainda que, de alguma forma, seja capaz de se envolver no meticuloso relacionamento de seus protagonistas.

 

Pôster

 

Ficha Técnica

Ano: 2017

Duração: 130 min

Gênero: drama, romance

Diretor: Paul Thomas Anderson

Elenco: Daniel Day-Lewis, Lesley Manville, Vicky Krieps

 

Trailer:

 

Imagens:

 

Avaliação do Filme

Veja Também:

7 Dias em Entebbe

Por Luciana Ramos   Quando apresentado no Festival de Berlim deste ano, “7 Dias em Entebbe” foi criticado por parte...

LEIA MAIS

Quase Memória

Por Bruno Tavares   Ruy Guerra é um dos ícones do período do Cinema Novo brasileiro. Ao lado de outras...

LEIA MAIS

Aos Teus Olhos

Por Luciana Ramos   Passado o entusiasmo do surgimento das redes sociais, como a observação da sua capacidade de diminuir...

LEIA MAIS