Por Kyalanvinck Santos

Com um humor ácido atrelado a estética do clássico cinema, “A Grande Dama do Cinema” tem no comando de Juan José Campanella (“O Segredo dos Seus Olhos”) a essência do diretor. Encabeçado por quatro excelentes veteranos do cinema argentino, o longa funciona e deixa clara a proposta de dramaticidade sobreposta à uma comédia sem compromisso.

Desde o início da narrativa o espectador é posto de frente ao carisma de Graciela Borges (“Dois Irmãos”), que interpreta Mara Ordaz, uma renomada e aposentada atriz que, apesar de ser uma personagem de peso, divide a difícil tarefa de carregar o ritmo do filme com Luis Brandoni (“Minha Obra Prima”), representando um  também aposentado ator, além de seu marido e cadeirante. Os dois levam uma vida pacata no interior da Grande Buenos Aires, dividindo a casa com mais dois colegas das antigas: Norberto (Oscar Martinez) e Martín (Marcos Mundstock), diretor e roteirista que já trabalharam em conjunto com o casal no auge de suas carreiras.

O resultado dessa convivência ácida e cheia de insultos é o “ataque” às funções dos profissionais do cinema. Como se fossem quatro irmãos, há conflitos frequentes, mas também o cuidado um para com o outro, principalmente por conta da idade em que se encontram. As metáforas e metalinguagens do roteiro nos conduzem aos pontos divertidos e dramáticos do longa e – com pontos específicos – trazem à história os dois antagonistas do filme.

De forma bem diferente, mas com uma química também afiada, os jovens
Bárbara (Clara Lago) e Francisco (Nicolás Francella) entregam atuações que não se perdem no tom, mantém o ritmo do roteiro e vendem bem a má intenção de seus personagens. Fica clara, porém, a diferença de experiência cinematográfica quando estão contracenando com os atores veteranos. O contraste entre os dois jovens “violões” e os quatro experientes “mocinhos” é intenso, mas essencial para o desfecho da história, que, por meio das atuações de peso, é alavancada, atingindo o bom equilíbrio entre comédia e drama.

Com um roteiro simples e inteligente, “A Grande Dama do Cinema” entrega um drama que se propõe a divertir o espectador e apresentar um pouco mais do que há de bom no velho e no novo cinema argentino.

Ficha Técnica

Ano: 2019

Duração: 129 min

Diretor:
Juan José Campanella

Elenco: Graciela Borges, Luis Brandoni, Oscar Martinez, Marcos Mundstock, Clara Lago e Nicolás Francella

Trailer:

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

Matrix Resurrections

Por Luciana Ramos   Nos anos 90, sedentos por materiais originais, os grandes estúdios viram a profusão de produtoras independentes...

LEIA MAIS

Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

Por Luciana Ramos Nos já distantes anos 2000, em meio à renovação das narrativas de super-heróis, a Sony Pictures investiu...

LEIA MAIS

A Disputa do Natal

Por Luciana Ramos   O documentário “A Disputa do Natal” começa leve, propondo contar a história de Jeremy Morris, um...

LEIA MAIS