Por Murillo Trevisan

Quando uma sequência do filme “Jumanji”, de 1995, foi anunciada a desconfiança e questionamento sobre a necessidade de existência projeto foi geral. Pouco se sabia até então de que modo isso seria feito e como alguém poderia segurar o protagonismo de um filme que, anteriormente tinha Robin Williams (“Uma Babá Quase Perfeita”) como estrela principal.

A grande surpresa foi descobrir que sim, isso era possível e, de uma maneira respeitosa à obra original. “Jumanji: Bem Vindo a Selva” (2017) soube se reinventar, aproveitando ao máximo de sua mitologia e ainda modernizar, trazendo a maldição de um jogo de tabuleiro para os video-games. O sucesso foi tamanho, que poucas semanas depois de seu lançamento, ele se tornou um dos maiores sucessos de bilheteria da Sony Pictures, chegando a quase US$ 1 bilhão, o que o levaria ao caminho mais óbvio de uma nova sequência.

“Jumanji: Próxima Fase” traz de volta os personagens de seu antecessor, para viver uma nova aventura ainda mais perigosa. Tentado em revisitar o mundo de Jumanji, Spencer (Alex Wollf) decide consertar o game que permite que os jogadores sejam transportados para ele. Logo o quarteto formado por Smolder Bravestone (Dwayne Johnson), Moose Finbar (Kevin Hart), Shelly Oberon (Jack Black) e Ruby Roundhouse (Karen Gillan) ressurge, porém agora comandados por outros jogadores: o avô de Spencer (Danny DeVito) e seu ex-sócio e amigo (Danny Glover), assumindo as personas de Bravestone e Finbar.

Novamente, o diretor Jake Kasdan (“Sex Tape: Perdido na Nuvem”), aposta todas as fichas em seus astros principais e na interpretação das diferentes personas. Se antes os avatares assumiram a identidade de jovens adolescentes com os hormônios à flor da pele, agora dão vida à rabugentisse de DeVito (“A Guerra dos Roses”) e Glover (“Máquina Mortífera”), representados por Dwayne Johnson e Kevin Hart. A fidedignidade é tamanha, que podemos nos pegar em alguns momentos, achando que realmente são os veteranos atores dentro daquele corpos.

Contudo, arriscar apenas no que deu mais certo anteriormente deixa de lado elementos importantes, necessários para possibilitar uma obra mais completa. O roteiro, também de autoria de Kasdan, aborda uma trama desinteressante, que tem apenas como objetivo apresentar novos personagens – como é o caso da ladra Ming Fleetfoot, interpretada pela Awkwafina (“A Despedida”) – para que seja possível produzir, em breve, uma nova continuação.

“Jumanji: Próxima Fase” é um divertido blockbuster que usa e abusa da mesma fórmula de sucesso de seu antecessor, porém agora sem o elemento surpresa e sensação de novidade, que tanto agradou em 2017. Com uma história desleixada, o filme se apoia novamente no carisma de The Rock e no elenco de peso.

Ficha Técnica

Ano: 2019

Duração: 123 min

Gênero: Ação, Aventura, Comédia

Diretor: Jake Kasdan

Elenco: Dwayne Johnson, Jack Black, Kevin Hart, Karen Gillan, Danny DeVito, Danny Glover

Avaliação do Filme

Veja Também:

Matrix Resurrections

Por Luciana Ramos   Nos anos 90, sedentos por materiais originais, os grandes estúdios viram a profusão de produtoras independentes...

LEIA MAIS

Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

Por Luciana Ramos Nos já distantes anos 2000, em meio à renovação das narrativas de super-heróis, a Sony Pictures investiu...

LEIA MAIS

A Disputa do Natal

Por Luciana Ramos   O documentário “A Disputa do Natal” começa leve, propondo contar a história de Jeremy Morris, um...

LEIA MAIS