Por Luciana Ramos

Seja pelo conteúdo mais dramático de filmes da Disney como “O Rei Leão” e “A Bela e a Fera”, pelo subtexto que atinge o emocional de crianças e adultos dos longas da Pixar ou pelo incrivelmente detalhado trabalho artesanal e por vezes existencialista dos estúdios Ghibli, observou-se uma aceleração na evolução das animações nos últimos vinte e poucos anos.

Os contornos dramáticos mais embasados em temas interessantes ao grande publico contaram com o reforço de novas tecnologias, que aprimoraram o nível de imersão do espectador. Esse movimento pôde ser observado recentemente na qualidade técnica de “Zootopia- Essa Cidade é o Bicho”, por exemplo.

Por tais motivos, um filme como “Norm e os Invencíveis”, que aposta na previsibilidade de um discurso raso, torna-se bastante aquém dos demais lançamentos, mesmo daqueles que possuem como objetivo principal o puro entretenimento.

A trama gira em torno de Norm (dublado por Rob Scheider) , um urso polar que possui dificuldade para caçar e sente-se deslocado por conseguir falar a língua dos humanos. Um dia, ao descobrir os planos de uma empresa americana em colonizar o inexplorado hábitat do Ártico, decide partir para Nova York em companhia de três lêmingues, os Invencíveis, com o objetivo de sabotar o plano. Lá, ele conhece Vera (dublada por Heather Graham) e sua filha Olívia (dublada por Maya Kay), que se tornam grandes aliadas.

norm 1

A trama evolui com elementos e personagens aparecendo e desaparecendo de acordo com a conveniência, optando por resoluções fáceis a conflitos já frágeis em sua concepção. Opta-se em trabalhar com um discurso maniqueísta, encaixando clichês narrativos, como o covarde que se torna corajoso diante das adversidades e o mentor.

Os diálogos são bastante expositivos, destacando-se a sequência inicial onde são reveladas as peculiaridades de Norm. Já as piadas são literais e muitas vezes escatológicas, apelando para o humor raso. Não obstante, adotam-se flashbacks e excessivas cenas musicais que falham em esconder a tentativa de guiar a experiência do público, em especial das crianças.

 

O longa também deixa a desejar em termos estéticos. As longas panorâmicas do início são prontamente substituídas por planos fechados e menos trabalhosos conforme a ação avança. Além disso, há pouca preocupação em conceder textura visual, preponderante na falta de detalhamento dos blocos de geleira e das cenas debaixo d’água.

Em suma, o longa falha nas tentativas de ser engraçado e encantador por não saber tratar o seu público com inteligência. Assim, diante da excelência das animações atuais, capazes de dialogar com um amplo espectro de espectadores, não há nada em um filme como “Norm e os Invencíveis” que o faça merecer ser assistido.

Ficha técnica norm poster


Ano:
 2016

Duração: 90 min

Nacionalidade: EUA, Índia

Gênero: animação, aventura

Elenco: Rob Schneider, Heather Graham, Bill Nighty, Maya Kay

Diretor: Trevor Wall

 

Trailer:

 

 

Imagens:

 

Avaliação do Filme

Veja Também:

A Paixão Segundo G.H.

Por Luciana Ramos   Publicado em 1964, “A Paixão Segundo G.H.” foi há muito considerado um livro inadaptável, dado o...

LEIA MAIS

O Menino e a Garça

Por Luciana Ramos   Aos 83 anos, Hayao Miyazaki retorna da aposentadoria com um dos seus filmes mais pessoais. Resvalando...

LEIA MAIS

Zona de Interesse

Por Luciana Ramos   O primeiro minuto de exibição de “Zona de Interesse” é preenchido por uma tela em preto...

LEIA MAIS