Por Luciana Ramos

O mar é mãe, memória, pensamento. Assim começa “Panquiaco”, filme da diretora Ana Elena Trejera. No seu misto de documentário e ficção, o rio panamense simboliza a divisão de um homem que há muito deixou sua tribo para se alojar nas terras portuguesas. Agora, com saudades, se vê impossibilitado de voltar pois já perdeu a conexão cultural com o seu povo. Com a alma presa nos afluentes, metade de um lado, metade de outro, deve adentrar em uma jornada de reconexão com as origens.

Cebaldo de Léon trabalha como pescador em Portugal e preenche a solidão dos seus dias sentado no bar, onde compra rachadinhas e escolhe músicas na jukebox. O semblante calmo não esconde a melancolia do seu olhar, uma expressão de nostalgia que o vai consumindo por dentro. Após a morte do pai, decide homenageá-lo regressando à aldeia de Guna Yala, onde percebe sua desconexão com a ancestralidade. Tendo abandonado o local onde nasceu e nunca completamente incorporado os costumes de onde vide, ele permanece em um limbo comum a imigrantes, potencializado pelas suas origens indígenas.

De certa forma, como explicita a conexão que a diretora faz da sua jornada com a de Panquiaco, indígena que guiou o descobridor espanhol Vasco Nunez de Balboa às terras do Panamá, a sua história marca a quebra cultural de um povo, o desprezo da ancestralidade em prol de uma existência urbana não tão compensadora. O retorno à terra, portanto, é um resgate de fragmentos de memórias, que juntos podem lhe auxiliar na reconexão. Outro instrumento é água, metaforicamente símbolo da separação, mas também da purificação e, assim, do renascimento.

A construção narrativa mescla o aspecto documental da jornada de Cebaldo a interações ensaiadas que visam explorar o seu dilema. Este, cabe salientar, não é exclusivo, visto que representa um movimento comum a diferentes tribos, marcadas pela perda de histórias, de tradições e de um modo de vida ancestral que fragmenta a identidade de cada filho da tribo.

O realismo frio e estático dos planos em Portugal é contrastado com uma câmera trêmula e granulada que caminha entre as folhagens da selva e os rostos das aldeias, enfatizando o tom nostálgico da produção. O terceiro componente é a animação, que aparece para apresentar didaticamente a história de Panquiaco e a ira despertada pelo seu comportamento.

Entre camadas interpretativas pontuadas por diferentes texturas, o filme de Trejera compõe um interessante panorama sobre origem, identidade e pertencimento, embora se alongue demais em algumas passagens, o que torna a experiência um tanto cansativa.

*Essa crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de SP

Ficha Técnica

Ano: 2020

Duração: 84 min

Gênero: documentário

Direção: Ana Elena Trejera

Veja Também:

Matrix Resurrections

Por Luciana Ramos   Nos anos 90, sedentos por materiais originais, os grandes estúdios viram a profusão de produtoras independentes...

LEIA MAIS

Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

Por Luciana Ramos Nos já distantes anos 2000, em meio à renovação das narrativas de super-heróis, a Sony Pictures investiu...

LEIA MAIS

A Disputa do Natal

Por Luciana Ramos   O documentário “A Disputa do Natal” começa leve, propondo contar a história de Jeremy Morris, um...

LEIA MAIS