O lançamento de “Kong: Ilha da Caveira” traz de volta aos cinemas um dos seus personagens mais icônicos. Criado em 1933 pela mente do criativo Merian C. Cooper, Kong assombrou as plateias, as divertiu e encantou. Ao longo das décadas, ganhou remakes, spin-offs, sequels, seguindo a lógica máxima de Hollywood: se dá dinheiro, faça outro!

Neste post, recapitulamos os filmes que tinham o gorila gigante como personagem, processos de produção e curiosidades.

 

“King Kong” (1933)

 

king kong 1933

 

Mesmo quem nunca assistiu ao filme original já deve ter visto (mesmo que em forma de sátira) a cena em que Kong, no topo do Empire State Bulding, luta contra aviões. De tão icônica, ela povoa até hoje, mais de 80 anos depois, o imaginário popular, servindo de comprovação para a força do cinema.

 

“King Kong” foi lançado no período da Grande Depressão americana e servia tanto de escape quanto de metáfora: ao passo que atendia a uma das funções do cinema no momento, de servir como distração às mentes desiludidas, também ganhou sentido metafórico pelo caos e destruição que representava.

Na história, um cineasta contrata uma equipe para ir a uma ilha deserta, onde desejar filmar cenas exóticas. Lá, depara-se com uma população nativa que, ao ver a atriz loira Ann Darrow (Fay Wray), decide oferecê-la como tributo ao rei do ambiente: Kong. Grande parte da trama se passa no resgate de Darrow, explorando bem as aventuras da equipe e os perigos da missão.

 

Visto hoje, o filme parece datado pela maneira com que a tribo é retratada, o uso de blackface ou mesmo aspectos técnicos que ficaram ultrapassados, mas ainda é capaz de provocar fascínio pela beleza nostálgica e certamente entreter.

O Kong deste filme era um modelo pequeno que se mexia por técnica de stop motion, controlada por Willis O’Brien e Buzz Gibson. Atualmente, um dos bonecos encontra-se na posse de Peter Jackson, que o comprou em um leilão.

 

 

“O Filho de King Kong” (1933)

 

A intenção de lucrar em cima de uma ideia não é de hoje e o sucesso de “King Kong” fomentou o lançamento de uma continuação apenas 09 meses depois.

Utilizando não só a mesma técnica mas também os modelos do filme anterior, explora o retorno do cineasta para a ilha, depois de atolar-se em processos por sua participação no caos em Nova York. O rumor diz que no solo há um tesouro enterrado e sua ganância fala mais alto do que os perigos. Lá, depara-se com o filho do gorila que tem metade do seu tamanho e é dócil.

 

king kong vs godzilla

 

“King Kong Vs Godzilla” (1962)

 

Talvez a derivação mais estranha envolvendo o Kong, une-o com o monstro japonês mais famoso em uma batalha épica. A história envolve dois atos paralelos que culminam no combate: por um lado, um farmacêutico decide usar o gorila como propaganda. De outro, um submarino bate em um iceberg, deixando o Godzilla ilhado por muito tempo.

O mais curioso desse filme é o fato de a ideia original ser uma luta entre Kong e Frankenstein, que acabou desandando. Em mãos japonesas, a produção sofreu uma adaptação, assim como as proporções de Kong, que cresceram para deixá-lo em patamar de igualdade com Godzilla. O modelo de stop motion foi abandonado em prol de um macacão de gorila usado por um ator.

Um remake deste filme está programado para ser lançado em maio de 2020 como parte de um novo universo compartilhado unindo os dois monstros.

 

“King Kong Escapes” (1967)

 

Produção japonesa-americana, tem uma trama absolutamente louca. Um cientista maluco que constrói um gorila robô e manda-o ao Polo Norte para que destrua o “Elemento X”, radioativo e perigoso. Quando a missão falha e sua criação se perde, ele decide capturar e hipnotizar o Kong para que ele complete a tarefa. No meio do caminho, o robô e o animal se encontram.

 

“King Kong” (1976)

 

Remake do original, segue mais ou menos a mesma narrativa, mudando o objetivo da viagem: uma empresa petrolífera é mandada a uma remota ilha para procurar petróleo ainda não patenteado. A trama pontua a crise envolvendo fontes de energia da época e serve na verdade como crítica à ambição desmedida, metaforizada em um combate com um símbolo da primazia da natureza. Neste longa, o Empire State Building foi trocado pelas torres do World Trade Center.

É o primeiro filme de Jessica Lange e conta ainda com Jeff Bridges no elenco. Além do uso de macacões com formato de gorila, foram desenvolvidas máscaras mecânicas com diferentes expressões faciais, o que aumentou o realismo de Kong.

 

“King Kong 2” (1986)

Mais uma sequência sem sentido, dessa vez passada dez anos depois do último filme. Nele, o gorila está em coma. Um cientista viaja à ilha do animal em busca de sangue para Kong e conhece uma versão fêmea da espécie.

 

 

king kong 2005 1

 

“King Kong” (2005)

 

Peter Jackson, como já citado, era um entusiasta do filme de 33 desde a infância. Ele conta que inclusive tentou inocentemente refazê-lo aos 08 anos com a câmera do pai.

Eis que em 2005 ele de fato presta uma homenagem ao original ao aperfeiçoar visualmente a história sem mudá-la. Impressionante pela estética, contou com captura de movimentos feitas por Andy Serkis e tem Naomi Watts, Jack Black e Adrien Brody no elenco.

 

 

Confira nossa crítica de “Kong: Ilha da Caveira” aqui.

 

Veja Também:

Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Por Luciana Ramos   Por vezes, a realidade se torna tão difícil de aceitar que o ser humano recorre ao...

LEIA MAIS

Rock N’ Roll: Por Trás da Fama

Por Luciana Ramos   Guillaume Canet é um dos atores mais respeitados da França, tendo construído um portfólio diverso de...

LEIA MAIS

Duas Garotas Românticas

Por Luciana Ramos   “Um filme leve que fala de coisas sérias vale mais do que um filme sério falando...

LEIA MAIS