O cinema está em constante evolução, seja em estética, narrativa ou plataforma de exibição. Por vezes, o surgimento de um novo artefato muda a forma de se pensar a arte, visto que inúmeras possibilidades artísticas se abrem. Foi assim com o surgimento de câmeras digitais, leves e portáteis, que não só baratearam a produção como fomentaram a construção de novas linguagens.

O desenvolvimento de realidade virtual é o próximo passo dessa evolução. Como em todos os casos, suscita debates, polarizando-se nos grupos a favor e contra. Há quem argumente o caráter egoísta desse tipo de experiência, contrastante ao ato de ir a uma sala de cinema e sentar-se cercado por pessoas, que compartilharão o filme. Esse ritual, para os contra o VR, é o cerne da arte cinematográfica e não pode descartado. Ademais, há a questão prática dos custos, visto que a plataforma necessita de óculos especiais e fones de ouvido para ser desfrutada.

 

Por outro lado, tem-se o caráter altamente imersivo da nova tecnologia e a consequente possibilidade de sair dos limites planos de um enquadramento em 2D para explorar uma narrativa em 360º. Cada experiência será diferente da outra, já que exige a interação do usuário para sua execução.

Ainda existem poucos cineastas debruçados sobre a questão e a produção de filmes para essa plataforma é quase nula. Ainda assim, há quem use-a para experimentar novas formas de contar histórias. É o caso de Alejandro González Iñárritu (“Birdman”), que expôs os horrores vividos por aqueles que tentam cruzar a fronteira do México em direção aos Estados Unidos em “Carne Y Arena”. Exibido no Festival de Cannes deste ano, convida o espectador a sofrer na pele dos mexicanos por breves sete minutos. Foi exaltado como brilhante e inovador.

Neste sentido, o Festival Varilux de Cinema Francês está promovendo uma mostra especial de realidade virtual em São Paulo e Rio de Janeiro, que começou no dia 07 de junho e se estenderá até o dia 18. Durante esse período, os interessados poderão assistir a 07 filmes, além de poder participar de um jogo interativo.

A experiência é altamente satisfatória, chega a ser fascinante. A linguagem desse tipo de obra é totalmente diferente, já que requer a participação ativa do espectador para sua completude, visto que a narrativa se desenrola em 360º. Muitas vezes ocupa-se o lugar de um personagem através de planos subjetivos, fornecendo ainda mais imersão à experiência. Sem interferências do mundo externo, mergulha-se a fundo na história, captando novas camadas de compreensão a cada virada de cabeça.

Entre os filmes escolhidos pelo curador, o cineasta Michel Reilhac, estão obras que abordam os medos infantis pelos olhos de vista de um garoto (“Sergeant James”), os bastidores de uma filmagem (“On Set – Slack Bay”), um mergulho pelas profundezas (“Out of the Blue”) e um encontro sensual entre 7 pessoas (“Viens!), dirigido pelo próprio Reilhac.

Um dos mais impressionantes dentre a seleção é “Kinoscope”, que remonta a história do cinema em uma animação de 09 minutos. A viagem pela sétima arte começa com a clássica cena de “Uma Viagem à Lua”, de Mèlies, passando por sequências de “Cidadão Kane”, “Tempos Modernos” e “De Volta Para o Futuro”, dentre outros.

O espectador é devidamente colocado dentro de um táxi guiado por Travis Buckley (“Taxi Driver”) e conduzido por uma rua com prédios de filmes famosos, como o de “Caca-Fantasmas”. Em seguida, assiste à icônica luta entre A Noiva e O-Ren Ishii em solo japonês (“Kill Bill”). Caminhando entres décadas de produções cinematográficas que entraram para o imaginário coletivo, o curta oferece uma experiência extremamente divertida e envolvente. Ao final, a placa de Hollywood aparece e fogos de artifício com símbolos de filmes como “Star Wars” e “Tubarão” revelam o término da projeção.

A produção de cinema em realidade virtual infelizmente ainda é bastante escassa e de difícil acesso. Para aqueles que a assistem, mostra-se extremamente recompensadora. Diante disso, vale a pena conferir a mostra promovida pelo Festival Varilux de Cinema Francês. Garantimos que não irá se arrepender.

Informações sobre locais de exibição e a seleção de filmes estão disponíveis no site do Festival.

Veja Também:

Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Por Luciana Ramos   Por vezes, a realidade se torna tão difícil de aceitar que o ser humano recorre ao...

LEIA MAIS

Rock N’ Roll: Por Trás da Fama

Por Luciana Ramos   Guillaume Canet é um dos atores mais respeitados da França, tendo construído um portfólio diverso de...

LEIA MAIS

Duas Garotas Românticas

Por Luciana Ramos   “Um filme leve que fala de coisas sérias vale mais do que um filme sério falando...

LEIA MAIS