Por Luciana Ramos

 

Guillaume Canet é um dos atores mais respeitados da França, tendo construído um portfólio diverso de personagens ricos e complexos, além de ter demonstrado talento na direção de filmes como “Até a Eternidade”. Em seu mais novo projeto, “Rock N’ Roll: Por Trás da Fama”, no qual atua e dirige, Canet propõe-se a destilar o veneno da indústria cinematográfica em toda a sua imbecilidade, em especial ao concernente à obsessão desmedida pela juventude. Em seu argumento, as medidas desesperadas dos atores para permanecerem jovens é um reflexo do modo como são descartados após certa idade e substituídos por rostos novos.

 

Para compor sua tese, ele escolhe trabalhar em um paralelo muito próximo da realidade, o que certamente configura-se arriscado – dada a exposição – mas é também o que transforma a obra em uma experiência extremamente interessante. Todos os personagens mostrados ao longo do filme interpretam versões de si mesmo, sem exceções, a começar pelo próprio protagonista. Guillaume encontra-se com quarenta e três anos e parece confortável com a vida que leva: possui reconhecimento profissional e um casamento feliz com Marion Cottilard, com quem tem um filho pequeno. Sua percepção muda radicalmente quando concede uma entrevista no set de filmagem do seu novo projeto. Quando categorizado de “velha geração” pela repórter, ele se sente profundamente incomodado e a questiona, mas é logo silenciado pela colega de elenco Camille Rowe, que afirma que ele simplesmente não é mais tão “rock n’ roll”.

 

rock n roll 1

 

A acusação o fere profundamente, algo acentuado quando começa a observar com lentes de aumento o universo ao seu redor: todos o veem como alguém bom e inofensivo, sem nunca lhe dar muito crédito. A partir desse momento, tudo o incomoda: a previsibilidade da sua rotina, o relacionamento morno com a equipe de filmagem e, principalmente, a insistência da sua mulher em falar francês com sotaque de Québec, que a torna incompreensível. Aos poucos, ele muda os hábitos, o modo de se vestir e agir, adotando uma postura mais “rock”. Seu temperamento torna-se errático e suas calças de couro cada vez mais apertadas. Suas experiências na pele do “novo Guillaume”, no entanto, tem efeitos negativos: ele parece provocar apenas a ira de todos, não um rejuvenescimento da sua imagem.

 

É neste momento, em que o protagonista se sente acuado, que resolve tomar medidas drásticas para realizar de fato a transformação que acredita que precisa. A trama então dá um salto rumo ao absurdo, a tudo que o humor escrachado tem a oferecer e, assim, oferece um final ao mesmo tempo hilário e ácido, que sintetiza toda a crítica implícita na jornada do ator.

“Rock N’ Roll: Por Trás da Fama” revela-se brilhante em sua execução ao expor a podridão de uma indústria que classifica as pessoas a níveis superficiais e a descartam como objetos – algo que pode claramente ser aplicado a sociedade como todo. O que o torna excelente é o modo como é construído, oferecendo uma sucessão de passagens hilárias, o que torna a experiência de assistir a jornada de decadência do protagonista algo muito mais prazeroso.

rock n roll 2

Muito desse crédito é de Guillaume Canet, não só pela concepção e direção, mas pela atuação: ele realmente se propõe a qualquer coisa para obter seu objetivo e oferece uma atuação maravilhosa, pontuada por expressões de confusão e revolta extremamente engraçadas. Outro destaque é Marion Cottilard, luminosa na tela, que explora seus dois lados – o de esposa compreensiva e atriz dedicada ao extremo – em uma performance inspirada.

Hilário ao ponto de ser (quase) sem limites, “Rock N’ Roll: Por Trás da Fama” oferece entretenimento de boa qualidade – e com conteúdo, suscitando ao mesmo tempo risadas e reflexão.

 

 

*Essa crítica faz parte da cobertura do Festival Varilux de Cinema Francês 2017.

 

Pôster:

 

rock n roll poster

 

Ficha técnica


Ano:
 2017

Duração: 123 min

Nacionalidade: França

Gênero: comédia

Elenco: Guillaume Canet, Marion Cottilard, Gilles Lellouche

Diretor: Guillaume Canet

 

 

Trailer:

 

 

 

Imagens:

 

Veja Também:

Sete Minutos Depois da Meia-Noite

Por Luciana Ramos   Por vezes, a realidade se torna tão difícil de aceitar que o ser humano recorre ao...

LEIA MAIS

Duas Garotas Românticas

Por Luciana Ramos   “Um filme leve que fala de coisas sérias vale mais do que um filme sério falando...

LEIA MAIS

Realidade virtual: um novo tipo de experiência cinematográfica

O cinema está em constante evolução, seja em estética, narrativa ou plataforma de exibição. Por vezes, o surgimento de um...

LEIA MAIS