Ano após ano, a lista de indicados ao Globo de Ouro é confrontada com inúmeras críticas que apontam a dissociação da Hollywood Foreign Press Association (Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood) com a indústria que deveria representar. Comumente, há o questionamento sobre a definição das categorias, já que filmes como “Perdido em Marte” e “Era Uma Vez em…Hollywood” foram considerados comédias, ao passo que produções americanas como “A Despedida” e “Minari” foram desconsideradas para a categoria principal por serem faladas parcialmente em outra língua.

É de senso comum em Hollywood que a definição da origem da obra consiste na combinação de alguns fatores além do idioma, como o contrato de produção/distribuição. Assim, “Parasita” consiste em uma obra coreana/americana – embora falado em coreano – por ter sido coproduzido por uma empresa americana, que comprou os direitos após exibição do filme de Bong Jo-Hoo em festivais. Já os dois casos citados acima, por discursarem sobre vidas americanas, terem sido filmados com equipes do país e distribuídos por empresa local (a independente A24), são obras essencialmente estadunidenses e, portanto, suas classificações como “estrangeiras” por um órgão que seria, em tese, mais preocupado com a representação real de uma indústria diversa, chocou a muitos. A esnobada em “Minari” levou o ator Daniel Dae Kim (da série “Lost”) a declarar que o ocorrido era o equivalente ao ditado racista “volte ao seu país, quando o seu país é, na verdade, a América”.

De fato, um dos pontos principais da crise existencial do Globo de Ouro é sua falta de sensibilidade a questões tratadas por outras premiações, como a representatividade racial. Séries incrivelmente premiadas como “I May Destroy You” e “Watchmen” foram completamente esnobadas pela HFPA, enquanto as indicações de “Emily em Paris” causaram fúria em muitos – e foram potencializadas por denúncia do Los Angeles Times de corrupção. Segundo o jornal, 30 membros da associação foram levados pela Netflix à capital francesa com tudo pago, hospedados em hotéis de primeira (U$ 1.400 por noite), recepcionados no set de filmagem e em evento posterior em um museu privado. O “investimento” (considerado antiético por violar o “fair play”) resultou em duas indicações para a produção – Melhor Série de Comédia e Melhor Atriz (Lily Collins) – e incentivou a imprensa a pesquisar a associação mais a fundo.

Emily em Paris

Descobriu-se, então, que nenhum dos 87 membros da HFPA era negro – flagrantemente contra a ideia de uma associação que representa a indústria jornalística de todo o mundo. Para piorar, no dia anterior ao Globo de Ouro, a presidente da organização, Meher Tatna, respondeu às cobranças dizendo ser difícil encontrar jornalistas negros e qualificados para o cargo. A comoção foi tanta, com hashtags e críticas explícitas de organizações como o Time’s Up, que ela apareceu junto a dois outros jornalistas na cerimônia para pedir desculpas e divulgar mudanças práticas na estrutura da premiação, com prazo definido para 05 de maio. Na época, o The Hollywood Reporter divulgou que Judy Smith, gerente de crises que inspirou a personagem Olivia Pope em “Scandal”, havia sido contratada para fazer o rebranding da organização.

Porém, em abril, um e-mail do ex-presidente e membro vitalício da HFPA foi vazado pela imprensa. Nele, Phillipe Berk encaminha uma fake news envolvendo o Black Lives Matter, cunhado por ele de “movimento racista de ódio” e diz que o líder do movimento, por ter comprado uma casa em Canyon Drive, daria seguimento a “guerra racial concebida por Charles Manson”. Esta não foi a primeira polêmica envolvendo Berk, que foi acusado de assédio pelo ator Brendan Fraser em 2018. Em meio à comoção do Me Too, este declarou ter sido apalpado indevidamente durante uma cerimônia do Globo de Ouro de 2003.

Diante do constrangimento, a HFPA emitiu uma declaração oficial onde afirmou que “desde a sua criação, tem se dedicado em construir pontes culturais e criar maior entendimento sobre culturas e backgrounds diferentes a partir da apreciação de filmes e séries” e que, por isso, “condenava veementemente” as colocações de Berk. Como resultado, ele foi expulso após servir quarenta e quatro anos como membro.

Antes do prazo delineado para anúncio de mudanças, houve outro mal-estar: após a cerimônia do Oscar, Daniel Kaluuya foi confundido por uma jornalista da HFPA com Leslie Odom Jr. e perguntado sobre sua participação em “Uma Noite em Miami…” – ele havia acabado de ganhar a estatueta de Melhor Ator Coadjuvante por “Judas e o Messias Negro”.  

Daniel Kaluuya havia ganhado o Globo de Ouro pelo mesmo papel

Não obstante, duas semanas antes do prazo de anúncio de uma “transformação radical”, a HFPA resolveu ter uma reunião via Zoom com as entidades que clamavam mudança e ameaçavam boicote à premiação. Representantes de empresas de relações públicas, distribuidoras, produtoras e instituições como o Color of Change, GLAAD e o Time’s Up sentaram-se para conversar com Shaun Harper, contratada pela HFPA como estrategista de diversidade.

A reunião reuniu nomes importantes da indústria, como Shonda Rhimes e Ava Duvernay, mas não deu bons frutos: ambas as mulheres deram declarações à imprensa de desgosto com a superficialidade das propostas apresentadas e reforçaram a ideia do boicote. Segundo o LA Times, a falta de entendimento foi tão latente que Harper abandonou a reunião abruptamente e anunciou sua demissão no mesmo dia.

Os representantes de Hollywood afirmaram que Harper estava mal-informada sobre pontos essenciais e sugeriu uma cota de treze pessoas negras como resolução do problema, o que foi considerado superficial e racista. O grupo havia sugerido uma revisão ampla das normas da premiação, incluindo maior transparência nas condutas, programas de trainee que abracem a representatividade, regras de seleção mais bem embasadas e a obrigatoriedade dos membros em assistirem a todas as obras submetidas para votação.

Este último ponto reflete uma discussão importante: segundo a imprensa americana, muito da miopia dos membros ao que é considerado inovador em Hollywood – como o já citado “I May Destroy You” – deriva da “preguiça” deles em acompanharem novos títulos, privilegiando filmes e séries com artistas conhecidos ou mais velhos em detrimento dos demais. Isso explica, por exemplo, a insistência em premiar “The Kominsky Method”, com Michael Douglas no elenco, enquanto o Emmy e o SAG já faziam acenos à inovadora “Fleabag”.

A falta de sensibilidade racial, atrelada à necessidade de atrair e premiar grandes estrelas em detrimento da avaliação do que foi, de fato, o melhor da produção cinematográfica e televisiva por si só já seria suficiente para desmoronar o Globo de Ouro. Porém, as críticas expandem-se a caminhos mais escusos, apontando para a já citada corrupção e humilhação de inúmeras pessoas ao longo das sete décadas de existência da premiação.

Fonte: Golden Globes

Em meio ao turbilhão de infindáveis crises, o jornalista norueguês August Kjersti Flaa processou a HFPA. Embora seu caso tenha sido arquivado nos EUA, ele serviu para aumentar a pressão sobre a associação. Flaa afirmou que se submeteu sem sucesso ao processo de seleção por inúmeros anos e descobriu, ao longo de sua jornada, uma “cultura de corrupção”. Ele ainda comparou à instituição a uma “espécie de cartel” que controla o acesso à mídia enquanto promove ganhos financeiros para seus membros.

Ademais, um grupo de mais de cem agentes e assessores divulgou uma carta em que prometia cortar acesso aos seus clientes, estrelas de todos os portes, caso a associação não mudasse radicalmente sua conduta “discriminatória, antiética, antiprofissional e endemicamente corrupta”. As acusações são inflamatórias e apoiadas por inúmeras empresas de PR. Cindi Berger, da R&CPMK, afirmou que seus clientes eram preparados antes de encontrar a HFPA, pois com certeza ouviriam algo danoso ou humilhante: “eles tiveram que lidar com racismo, sexismo, homofobia e transfobia. Nós não podemos continuar apenas balançando nossas cabeças em choque”.

Em meio a tanta turbulência, o prazo da divulgada “transformação radical” chegou e a associação anunciou o aumento do número de votantes em 50% em um prazo de dezoito meses, focando na diversidade de novos membros. Sendo assim, o resultado da ação não seria sentido no Globo de Ouro do próximo ano e nem de longe tocava nas demais questões levantadas.

Diante da falta de uma articulação real para mudança, os setores resolveram agir em uníssono. Netflix e Amazon anunciaram que não irão trabalhar com a associação enquanto não houver reforma, o que significa que não submeterão suas obras (que dominam a premiação) para votação. O grupo detentor da HBO e Warner seguiu o exemplo e atores como Mark Ruffalo foram protestar contra a HFPA nas redes sociais. Já Tom Cruise foi além e enviou de volta as suas três estatuetas do Globo de Ouro à associação de imprensa internacional.

Scarlett Johansson criticou veementemente a organização, oferecendo lampejos de tratamento inapropriado: 

“Ao participar de uma campanha para premiações, os atores devem sentar-se e engajar em uma série de entrevistar para promover o filme em questão. Por inúmeras vezes, eu fui agredida com perguntas extremamente sexistas de jornalistas da HFPA que tocavam no limite do assédio sexual. A HFPA se legitimou por meio de tipos como Harvey Weinstein e se aproveita do entusiasmo ao redor do Oscar…e a indústria aceitava os abusos até então. A menos que haja uma reforma significativa no Globo de Ouro, eu acho que é hora de nos afastarmos da HFPA para focarmos na força da unidade de nossos sindicatos e da indústria como um todo”.

Diante da intensa comoção, a NBC, que tradicionalmente exibe a premiação, anunciou o cancelamento do show de 2022. A divulgação foi interpretada como uma forma de pressão sobre a associação, ainda resistente em diversos níveis à mudança. Em nota, a empresa disse:

“Nós continuamos a acreditar que a HFPA é comprometida a fazer reformas substanciais. No entanto, mudanças dessa magnitude levam tempo e dedicação e nós acreditamos que a HFPA precisa de espaço para fazê-lo da maneira correta. Por isso, a NCB não vai exibir o Globo de Ouro 2022. Assumindo que a associação cumpra o seu plano, nós estamos esperançosos em voltar a exibir o evento em janeiro de 2023”.

Sem a NBC, a HFPA deve decidir como transmitir seu evento – se ainda restarem estrelas para o tapete vermelho – ou se comprometer, enfim, a mudanças significativas. A crise parece longe de acabar.

Veja Também:

Mostra Internacional de Cinema em São Paulo divulga premiados da 45ª edição

Durante duas semanas, aficionados pela sétima arte puderam conferir uma seleção de mais de 200 filmes de diversas nacionalidades e...

LEIA MAIS

Começa hoje em formato híbrido a 45ª Mostra Internacional de Cinema SP

A Mostra Internacional de Cinema SP realiza entre hoje, 21 de outubro, e o dia 03 de novembro de 2021...

LEIA MAIS

Marvel processa criadores para reter controle de seus personagens

A Marvel entrou com uma série de processos contra criadores de seus personagens mais famosos ou as fundações que cuidam...

LEIA MAIS