Por Murillo Trevisan

A Netflix vem apostando fortemente em conteúdos originais para abandonar de vez a dependência das distribuidoras parceiras. Para isso, investe em nomes de peso, buscando dar visibilidade à suas obras que para muitos talvez passassem despercebidas. Somente nessa linha da ficção-científica, temos como exemplo Michael Peña com o recente “Extinção”, Martin Freeman em “Cargo” e Natalie Portman na adaptação de “Aniquilação”, dirigida por Alex Garland  (“Ex-Machina”). Agora, na mesma diretriz algorítmica, é a vez de Sandra Bullock (“Gravidade”) trazer sua base de fãs para o serviço de streaming.

Inspirado no livro homônimo de Josh Malerman, “Bird Box” (ou “Caixa de Pássaros”) se trata de um romance pós-apocalíptico que conta uma história de sobrevivência, enquanto pincela aspectos de drama, suspense e até mesmo terror. Ao adaptar a obra para as telas, o roteirista Eric Heisserer (“A Chegada”) opta por dividi-la em duas linhas temporais: pré e pós-apocalipse.

O thriller tem início com uma conversa entre Malorie (Sandra Bullock) e seus dois filhos pequenos, ainda sem nomes, sendo chamados apenas de Garoto (Julian Edwards) e Garota (Vivien Lyra Blair). Com um tom de voz imponente, ela ordena que eles façam tudo exatamente como ela diz se quiserem sobreviver – e onde a lição mais importante é nunca – em hipótese alguma, remover as vendas de seus olhos. Caso contrário, se virem o que há ao redor, morrerão. Uma voz em off vinda de um walkie-talkie nos acrescenta a informação de que eles devem pegar um barco e descer o rio por dois dias para chegar à um local seguro.

Na segunda linha temporal voltamos cinco anos antes, onde Malorie está grávida e conversa com sua irmã (Sarah Paulson) sobre solidão e sua imensa dificuldade em se conectar com as pessoas, e que acredita que terá esse mesmo problema com os filhos. Enquanto isso, uma onda de suicídios em massa tem início na Europa Oriental antes de se espalhar pelo mundo todo, sem ninguém entender como ou porquê tais mortes começaram a acontecer. Não demora muito para o caos chegar até a protagonista e, com uma cena de “arrebatamento” que lembra bastante a da excelente série “The Leftovers” da HBO, a pandemia se instaura.

Em busca de abrigo, Malorie é acolhida indesejavelmente na casa de Douglas (John Malkovich) junto com diversos outros personagens. Tal premissa — de que há algo lá fora que precisa ser evitado a qualquer custo — funciona de modo bem parecido com o ótimo sci-fi “O Nevoeiro” (2007), de Frank Darabont (não confundir com a esquecível série, também da Netflix). A ameaça não é mostrada em momento algum, fazendo com que se explore narrativamente um obstáculo muito maior, o concernente às intricadas relações humanas. Outra obra a que este filme vem sendo comparada é o recente “Um Lugar Silencioso” (2018), de John Krasinski, que usa o artifício de privar personagens de um de seus sentidos (neste caso a visão), em prol da sobrevivência.

Conforme já explicitado aqui na crítica, o longa dirigido por Susanne Bier (“Em um Mundo Melhor”) pincela diversas inspirações, carecendo de uma própria identidade, tornando-o confuso e sem finalidade. A opção de acrescentar uma nova linha temporal, dando maior importância à falha evolução da protagonista ao invés de destacar o sentido metafórico de tudo aquilo, perde o propósito da adaptação da obra literária. Assuntos como solidão, depressão e alienação são ofuscados quando a diretora se limita em colocar o peso da trama nas costas de Sandra Bullock.

Competente como sempre, a atriz se transforma de maneira convincente em uma dura sobrevivente neste suspense. Ao lado dela, bons nomes formam o elenco de apoio, como Trevante Rhodes (“Moonlight: Sob a Luz do Luar”), Jacki Weaver (“O Lado Bom da Vida”) Lil Rel Howery (“Corra!”), Rosa Salazar (“Alita: Anjo de Combate”) e os já citados John Malkovich (“RED: Aposentados e Perigosos“) e a excelente Sarah Paulson (“Vidro”), que infelizmente ganha pouco tempo de tela.

“Bird Box” é um suspense que chega a ser envolvente, mas não cumpre o que promete. Sua falta de personalidade compromete a potencial trama o deixando em cima do muro, sem saber a real mensagem que quer transmitir.

Ficha Técnica


Ano: 2018

Duração: 124 min

Gênero: Drama, Horror, Sci-Fi

Diretor: Susanne Bier

Elenco: Sandra Bullock, Trevante Rhodes, John Malkovich, Sarah Paulson, Rosa Salazar, Lil Rel Howery

Trailer

Imagens

Avaliação do Filme

Veja Também:

Matrix Resurrections

Por Luciana Ramos   Nos anos 90, sedentos por materiais originais, os grandes estúdios viram a profusão de produtoras independentes...

LEIA MAIS

Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

Por Luciana Ramos Nos já distantes anos 2000, em meio à renovação das narrativas de super-heróis, a Sony Pictures investiu...

LEIA MAIS

A Disputa do Natal

Por Luciana Ramos   O documentário “A Disputa do Natal” começa leve, propondo contar a história de Jeremy Morris, um...

LEIA MAIS