Em cerimônia virtual transmitida diretamente do Palácio dos Festivais, Marla Martins e Renata Boldrini anunciaram os grandes vencedores desta edição inusitada do Festival de Gramdo.

O longa pernambucano “King Kong en Asunción”, de Camilo Cavalcante, conquistou quatro Kikitos, entre eles o de Melhor Filme. É um reconhecimento da audácia e esforço do diretor, que transitou por três países da América para rodar a história do matador de aluguel que, depois de cometer um assassinato na região desértica de Salar de Uyun, se esconde no interior da Bolívia e decide ir atrás da filha que nunca conheceu.

O protagonista é vivido por Andrade Júnior, que infelizmente faleceu antes de ver a obra concluída, e foi agraciado postumamente como Melhor Ator pela sua performance. O filme ainda ganhou na categoria Melhor Trilha Musical, prêmio para Shaman Herrera, que divide a estatueta com Salloma Salomão, de “Todos os Mortos”, e Melhor Filme eleito pelo júri popular.

A portuguesa Isabel Zuaa foi eleita a Melhor Atriz pela atuação no longa “Um Animal Amarelo”, tragicômica fábula tropical, como descreve o diretor Felipe Bragança. A história de um cineasta falido que mergulha em uma jornada pelo Brasil também é vencedora nas categorias Melhor Direção de Arte para Dina Salem Levy, e Melhor Roteiro para Felipe Bragança. Isabel recebeu a notícia de sua casa, em Portugal.  

“Todos os Mortos”, longa de Caetano Gotardo e Marco Dutra que aborda a história do Brasil a partir da perspectiva de pessoas escravizadas, venceu nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante, para Alaíde Costa, e Melhor Ator Coadjuvante, para Thomás Aquino. Já Ruy Guerra levou o Kikito de Melhor direção por “Aos Pedaços”. O filme levou ainda o prêmio de Melhor Fotografia para Pablo Baião, e Melhor Desenho de Som, para Bernardo Uzeda. “Me Chama que eu Vou”, o documentário sobre a vida do cantor Sidney Magal levou o prêmio de Melhor Montagem, Kikito que vai para Eduardo Gripa. 

48º Festival de Cinema de Gramado 2020 – 26/09/2020 -Foto: Cleiton Thiele / Agência Pressphoto

O Prêmio Canal Brasil foi concedido para o curta “Inabitável”, de Luciana Souza, que recebe R$ 15 mil e o direito a exibição na programação do Canal.

Já no campo das produções estrangeiras, “La Frontera”, de David David, foi escolhido como Melhor Filme. Assinando também o roteiro, o jovem cineasta que retrata o drama de famílias afetadas pelas crises de fronteira entre Colômbia e Venezuela levou o Kikito nas duas categorias. O longa também garantiu a estatueta de Melhor Atriz para as duas protagonistas Daylin Vega Moreno e Sheila Monterola

O melhor longa-metragem gaúcho Portuñol, da diretora Thais Fernandes, fala sobre a intersecção de culturas; já o “Barco e o Rio” é o grande vencedor na categoria de Curta-metragem Brasileiro.

Ao falar desta edição especial do festival, o presidente da Gramadotour, Rafael Carniel, deu um belo depoimento, apontando para o paradoxo entre a necessidade humana da cultura, exacerbada no panorama atual, e a falta de fomento e apoio federal para o setor:

Neste ano de pandemia a gente manteve o Festival de Cinema de Gramado em respeito a uma indústria que gera R$ 25 bi de faturamento, quase 2% do pib brasileiro. É um mercado que antes da pandemia crescia em média 7%, até mais do que o turismo. São aproximadamente 13 mil empresas que geram em torno de 300 mil postos de trabalho. São cerca de 100 profissões ligadas à indústria do audiovisual. Mas mais do que isso eu pergunto: qual o valor da indústria que muito além de gerar números, toca a vida das pessoas? No contexto de pandemia ela tem formado opiniões, tem tirado o mundo da ignorância, interrompido a cegueira sobre a realidade do outro. Qualificado, emocionado, aliviado a dor das pessoas.

Camilo Cavalcanti demosntra emoção ao ganhar por “King Kong en Asunción” | Foto: Cleiton Thiele / Agência Pressphoto

Confira a lista de vencedores:

 

Longa-metragem Brasileiro – LMB

Melhor Filme – King Kong en Asunción

Melhor Direção – Ruy Guerra, por Aos Pedaços

Melhor Ator – Andrade Júnior, por King Kong en Asunción 

Melhor Atriz – Isabél Zuaa, por Um Animal Amarelo 

Melhor Roteiro –  Felipe Bragança, por Um Animal Amarelo 

Melhor Fotografia – Pablo Baião, por Aos Pedaços

Melhor Montagem – Eduardo Gripa, por Me Chama Que Eu Vou 

Melhor Trilha Musical – Salloma Salomão, por Todos os Mortos e 

Shaman Herrera, por King Kong en Asunción

Melhor Direção de Arte – Dina Salem Levy, por Um Animal Amarelo 

Melhor Atriz Coadjuvante – Alaíde Costa, por Todos os Mortos 

Melhor Ator Coadjuvante – Thomás Aquino, por Todos os Mortos 

Melhor Desenho de Som – Bernardo Uzeda, por Aos Pedaços

Prêmio Especial do Júri: Elisa Lucinda, por Por que você não chora?

Menção Honrosa do Júri: Higor Campagnaro, por Um Animal Amarelo

Melhor filme estrangeiro: La Frontera, de David David | Foto: Cleiton Thiele/Agência Pressphoto

Longa-metragem Estrangeiro – LME

Melhor Filme – La Frontera

Melhor Direção – Mariana Viñoles, por El gran viage al país pequeño

Melhor Ator – Anibal Ortiz, por Matar a un Muerto

Melhor Atriz – Daylin Vega Moreno (Diana), Sheila Monterola (Chalis), por La Frontera

Melhor Roteiro – David David, por La Frontera

Melhor Fotografia – Nicolas Trovato, por El Silencio del Cazador

Prêmio Especial do Júri: El Gran Viaje al País Pequeño

Longa-metragem Gaúcho – LMG

Melhor Filme – Portuñol, de Thaís Fernandes

Curta-metragem Brasileiro – CMB

Melhor Filme – O Barco e o Rio

Melhor Direção – Bernardo Ale Abinader, por  O Barco e o Rio

Melhor Ator – Daniel Veiga, por Você tem olhos tristes

Melhor Atriz – Luciana Souza, Inabitável 

Melhor Roteiro – Inabitável,  Matheus Farias e Enock Carvalho

Melhor Fotografia – O Barco e o Rio, para Valentina Ricardo

Melhor Montagem – Você tem olhos tristes, para Ana Júlia Travia

Melhor Trilha  Musical – Atordoado, eu permaneço atento, para Hakaima Sadamitsu, M. Takara

Melhor Direção de Arte – O Barco e o Rio, para Francisco Ricardo Lima Caetano

Melhor Desenho de Som – Receita de Caranguejo, Isadora Torres e Vinicius Prado Martins

Prêmio especial do júri: Preta Ferreira, por Receita de Caranguejo

Júri Popular

Curta Brasileiro: O Barco e o Rio, de Bernardo Ale Abinader

Longa Estrangeiro: El gran viaje al país pequeño, de Mariana Viñoles

Longa Brasileiro: King Kong en Asunción, de Camilo Cavalcante

Júri da Crítica

Curta Brasileiro: Inabitável

Longa Estrangeiro: El Gran Viaje al País Pequeño

Longa Brasileiro: Um animal amarelo

Fonte das imagens: Pressphoto

Veja Também:

Mostra Internacional de Cinema em São Paulo divulga premiados da 45ª edição

Durante duas semanas, aficionados pela sétima arte puderam conferir uma seleção de mais de 200 filmes de diversas nacionalidades e...

LEIA MAIS

Começa hoje em formato híbrido a 45ª Mostra Internacional de Cinema SP

A Mostra Internacional de Cinema SP realiza entre hoje, 21 de outubro, e o dia 03 de novembro de 2021...

LEIA MAIS

Marvel processa criadores para reter controle de seus personagens

A Marvel entrou com uma série de processos contra criadores de seus personagens mais famosos ou as fundações que cuidam...

LEIA MAIS