Por Lanna Marcondes

 

O livro de volume único escrito por Jay Asher, “Th1rteen R3asons Why”, se tornou uma das séries mais polêmicas de criação do Netflix. Motivada pelo sucesso, ela retorna para uma segunda temporada sem a base fundamentada pelo livro, mas pelo conceito de continuação dos showrunnersConsciente de seu próprio impacto social e influência nos jovens espectadores, as discussões sobre estupro, bullying, suicídio, culpabilidade, ameaças, entre outros continuam a ocorrer de forma recorrente; porém, nota-se um cuidado maior em sua abordagem, refletida nas constantes advertências redirecionadas aos espectadores às ferramentas de combate ao suicídio.

A série retorna pronta para encarar os céticos que acreditavam que nada mais poderia ser falado. Estavam errados. Enquanto a primeira temporada é completamente guiada a partir da narrativa de Hannah Baker (Katherine Langford) e suas fitas k7 – sendo assim, unilateral –  dessa vez a perspectiva de todos aqueles que foram mencionados em suas fitas guiam a história. 

O enredo gira em torno do tão esperado julgamento dos Bakers contra Liberty High School, onde os pais da garota culpam a escola por sua falta de comprometimento no cuidado dos estudantes, principalmente por nega-la o acompanhamento psicológico que tanto precisava. Seus colegas de escola – cada uma de suas treze razões – são chamados para depor em um julgamento cruel e duro. Novas nuances da própria protagonista são apresentadas. Aprendemos muito mais a partir dos acontecimentos que ela decidiu omitir. Há o outro lado da moeda.

 

 

Felizmente, o olhar da série se expande para outros personagens, sua melhor aposta. Muitos que demonstraram grande potencial na primeira temporada, agora crescem ao terem espaço para controlar parte da narrativa com suas perspectivas. Jessica Davis (Alisha Boe), Alex Standall (Miles Heizer), Justin Foley (Brandon Flynn) e Zach Dempsey (Ross Butler) impressionam com o aprofundamento de seus personagens, demonstrando suas próprias falhas, inseguranças e superações nessa nova temporada.

O mais interessante é o constante questionamento deles próprios sobre os padrões sociais que garotas sofrem todos os dias. Clay Jensen (Dylan Minette), por exemplo, reverbera preconceitos sociais, mas que, ao questionar e ser repreendido pelos colegas, aprende com seus erros. É uma forma didática de educar uma audiência que ainda presencia esses preconceitos no dia-a-dia.

 

 

Uma das cenas mais fortes da primeira temporada, o estupro de Jessica Davis por Bryce Walker (Justin Prentice) ecoa na segunda temporada. A discussão sobre culpabilidade, consequências e poder ganha grande espaço aqui. Uma coisa é certa: ele precisa ser punido pelo crime que cometeu diversas vezes. O dinheiro e influência da sua família o mantém impune por muito tempo, algo que é próximo até demais da realidade em que vivemos hoje.

“13 Reasons Why” acerta em muitos pontos, o que surpreende, devido à sua primeira temporada tão aclamada e as expectativas altas para a continuação. No entanto, peca por excesso ao achar que pode incluir um leque muito grande de assuntos polêmicos em somente treze episódios. Um exemplo é a inclusão da polêmica envolvendo tiroteios em escolas americanas, que ganha uma abordagem superficial e cruel. É desnecessário inseri-lo agora e demonstra certa ansiedade dos produtores para incluir a discussão em um contexto social como o que vivem os americanos. A forma polêmica como criam as condições para uma situação como essa beiram o grotesco, são sensacionalistas e apelam à violência gratuita, com um objetivo claro e único de causar impacto e talvez garantir uma terceira temporada.

A série começa lenta, didática e insegura, exigindo certa insistência por parte do espectador para chegar na parte em que ganha ritmo e finalmente capta a atenção e interesse.  Apesar de falhas, ela não decepciona e entrega uma temporada que consegue competir com a primeira e agradar a maioria de seus fãs. O futuro de “13 Reasons Why” é incerto, porém a força de seu enredo ainda reverbera nas notícias internacionais.

 

Pôster

Poster

 

Ficha Técnica

Ano: 2017 – (em andamento)

Número de Episódios: 13

Nacionalidade: EUA

Gênero: drama, mistério

Criador: Brian Yorkey

Elenco: Dylan Minnette, Katherine Langford, Christian Navarro, Alisha Boe

 

Trailer:

 

 

 

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS