Por Luciana Ramos

 

Todo ano, ao começar a temporada de premiações, o debate em torno da representatividade retoma à superfície. Nunca adormecido (apenas ignorado pela massa midiática quando não acompanhado de uma narrativa interessante, tipo o #Oscarssowhite), ele embasa o desejo das diversas minorias de não só obterem oportunidades de emprego na indústria do entretenimento quanto de poderem construir narrativas edificantes que retratem suas culturas e elevem suas representações sociais.

Neste sentido, um dos maiores clamores da NAACP (instituição fundamental na luta dos afroamericanos) é referente ao tipo de produção audiovisual, ou, melhor dizendo, quantos produtos desviam de estereótipos e, dentro deste número, quantos se dispõem a apresentar a vida dos negros de maneira positiva – sem recorrer ao sofrimento da escravidão ou a marginalização social. Isso NÃO significa, e é importante reiterar, que obras que contextualizem historicamente a luta do povo afrodescendente são, de alguma forma, menos necessárias: não é este o debate. Ele gira em torno da construção narrativa EXCLUSIVAMENTE por esta luz o que, invariavelmente, coloca-a no campo, também, da representação estereotipada – potencializada pelo comum casamento deste tipo de filme/série com diretores ou produtores brancos, que têm a palavra final sobre o produto.

*para maior aprofundamento, disponibilizaremos abaixo artigos sobre a controvérsia da indicação de Cynthia Erivo ao Oscar deste ano por interpretar a escrava libertária Harriet Tubman*

Octavia Spencer tem usado seu talento e influência em Hollywood para mudar o modo como as coisas são feitas. Além de constantemente debater o tema em entrevistas – e, assim, justificar suas escolhas profissionais – ela busca, por meio da produtora que fundou, atuar na criação de histórias que representem o povo negro em toda a sua pluralidade e relevância.

Seu mais novo projeto, a minissérie da Netflix “A Vida e História de Madame C. J. Walker”, reflete exatamente este desejo, explorando as diferentes facetas da primeira milionária negra americana, uma lavadeira que alçou o sucesso após perder – e recuperar – seus cabelos.

Como ela narra ao começo do primeiro episódio, os cabelos são mais que um complemento corporal ou um instrumento decorativo: suas texturas, comprimentos, formatos e cortes representam a história de um povo, um ponto de semelhança entre pessoas da mesma etnia e, em caráter individual, sua herança genética. Atuam também como ponto fundamental da autoestima, sendo o modo como cada um escolhe cultivá-los (ou não) uma forma importante de se posicionar socialmente.  

Por isso, Sarah (Octavia Spencer) sentiu-se humilhada ao perder suas madeixas, sentimento potencializado pelos ataques violentos do marido bêbado. Um dia, uma bela mulher com vasta cabeleira bate à sua porta prometendo-lhe a solução mágica na forma de creme. O produto funciona e Sarah recupera-se emocionalmente a ponto de retomar o trabalho como lavadeira e encontrar um novo marido, o senhor C. J. Walker (Blair Underwood). Ela, no entanto, deseja mais, já que crê com firmeza que a sua jornada é o gatilho perfeito para a venda dos produtos de Addie Munroe (Carmen Ejogo). Chocada pela oferta, esta rechaça a “amiga”, dando início a uma competição comercial que dura décadas.

Sarah, ou a Madame C. J. Walker, como se apresenta, sai na frente por revelar dois traços de personalidade indispensáveis aos empreendedores: a persistência e a ambição. São muitos os percalços pela frente, mas a protagonista não se deixa abater, visto que o seu desejo de sucesso é embasado na visão que possui sobre a exaltação da beleza negra – diferente de Addie, ela não busca aproximar seu produto da promessa de encaixe nos padrões opressores brancos, mas sim a celebração da diversidade dos cabelos negros e, por meio do cuidado com eles, da cultura do seu povo.

No começo do século XX, a sua ambição encontrava obstáculos aparentemente intransponíveis por se embasarem em preconceitos – sociais, de gênero, de raça – muito mal disfarçados. A verdade é que, em 1910, não eram muitas as pessoas dispostas a aplaudirem o sucesso de uma mulher negra (infelizmente, ainda hoje, este tipo de mau caratismo continua a encontrar acolhimento em alguns nichos). Assim, o seu diferencial, conforme elencado na minissérie, não advém das suas privações, mas da absoluta indisposição em aquiescer aos anseios alheios (inclusive aos do seu marido, o que provoca rusgas).

Obviamente, um aprofundamento narrativo maior exploraria os mecanismos de desigualdade que fazem desta história verídica uma exceção no campo social, mas esta não é a função de “A Vida e História de Madame C. J. Walker”. A produção se opõe às narrativas sofridas citadas ao começo, construindo, ao longo de seus quatro episódios, uma trama leve, celebratória e edificante. Exatamente por isso, justifica-se a atenuação das discussões raciais, sempre cercadas pelas tramoias familiares ou da inimiga Addie Munroe que consolidam o tom folhetinesco da produção.

Ainda assim, a obra não se esquiva de abordar o discurso de ódio (e agressões físicas) relegadas ao povo afroamericano, um lembrete histórico perturbador que potencializa a jornada pessoal de Sarah. Como ela mesmo pontua, o seu sucesso é a representação de luta dos seus pais e a transgressão das suas limitações sociais, a mensagem de que as inúmeras adversidades podem sim ser superadas (com muito mais esforço do que uma pessoa branca teria que fazer, como ela mesmo diz) e transformadas em um legado inspirador.  

 

Artigos complementares sobre o problema de representatividade no Oscar:

https://www.bet.com/celebrities/news/2020/01/13/oscar-nominations-one-black-actor-nominated.html

https://www.thedailybeast.com/trevor-noah-upset-over-oscar-nominations-predictable-only-black-actor-nominated-for-playing-a-slave

Ficha Técnica

Ano: 2019

Número de Episódios: 04

Nacionalidade: EUA

Gênero: drama

Criadores: Octavia Spencer, Blair Underwood, Bill Bellamy, A’Lelia Bundles

Elenco: Octavia Spencer, Tiffany Hadish, Carmen Ejogo, Blair Underwood, Garret Morris, Kevin Carroll

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS