Por Luciana Ramos

 

Aos 18 anos, Madison Hamburg teve a vida radicalmente mudada ao ter sua mãe brutalmente assassinada no quintal da própria casa. A quantidade de facadas e o fato de seu corpo ter sido encoberto indicavam passionalidade e, portanto, apontavam a execução para alguém bem próximo à Barbara Hamburg. Mas quem poderia ter cometido o crime?

Madison repetiu incessantemente a pergunta durante três anos até ter uma epifania, seguida de uma decisão: para saber quem a matou, ele deveria conhecê-la a fundo. O afastamento natural da adolescência foi acentuado por seu comportamento errático de modo que ele acreditava nunca ter superado o “complexo de super-herói” (suas palavras) que moldam a visão que os filhos possuem dos pais na infância. Assim, para desvendar o caso ele teria que mergulhar fundo na vida da sua mãe de um modo que nunca imaginou…sem saber o que iria encontrar. Para isso, optou pela produção de um documentário como ferramenta.

Ao coletar material – imagens de arquivo, entrevistas, pistas, reconstituições – e compila-lo em vídeo, ele poderia se organizar melhor e ter mais acesso à sua família, que concordou em escancarar todos os seus podres em frente às câmeras. Em última instância, poderia prestar uma homenagem à Barbara, uma celebração de quem ela foi em vida. Durante sete anos, o diretor, junto à uma fiel equipe, acumulou uma enormidade de pistas e suspeitos, avançando muito mais do que a polícia designada para o caso. O material moldou-se na minissérie em quatro partes “Assassinato em Middle Beach”, da HBO.

A obra é extremamente bem editada e cativa o espectador nos primeiros instantes por se mostrar mais rebuscada do que outros documentários pautados em crimes reais. Mais do que a obsessão pelo encerramento de um caso policial em aberto, a minissérie se volta para entender a complexidade da vida de Barbara – sua vivacidade, seu alcoolismo, o amor de mãe e a fraqueza moral – e, apenas por este caminho, expandir para possíveis suspeitos, detalhando a relação dela com cada um e pontuando prós e contras em cada equação.

O mais impressionante é ver a figura idealizada que o filho tinha em mente se fragmentar em relatos sobre alcoolismo, crimes de colarinho branco e outras condutas que o levaram a questionar como reconciliar imagens tão distintas da mesma pessoa. O choque com que processa algumas informações é devidamente captado em câmera, visto que Madison é participante ativo do documentário (também o seu objeto), o que suscita invariavelmente questionamentos sobre sua sanidade mental – ou, em outras palavras, se a continuidade do projeto seria realmente benéfica para ele ou não. Como o diretor mesmo explica em cena, por mais doloroso que seja, o caminhar incessante atrás de respostas é parte do seu luto e, portanto, sua luta por desvendar o crime o ajudaria a processar o trauma do acontecimento.

Fato é que o documentário avança muito nas investigações, abrindo e fechando possibilidades (descartadas somente após profunda análise) e indicando potenciais furos no processo da polícia. Ao centro, dispõe quatro suspeitos, dividindo-os ao longo dos episódios. Além de ser um ótimo jeito de instigar a curiosidade do espectador, levando-o a especular sobre possíveis cenários criminais, a estrutura de roteiro mostra-se excelente por compartimentalizar sessões da vida de Barbara, ao mesmo tempo focando em manter-se dinâmico e aprofundar no personagem principal do documentário.

É perceptível, ao longo dos dezessete anos de produção, um amadurecimento da equipe, que começa com o experimentalismo comum aos estudantes e cresce na riqueza de planejamento, processamento de informações e atenção aos detalhes estéticos.

Combinando os elementos de mistério à depoimentos devastadores de membros da família Beach-Hamburg e ao caráter reflexivo de Madison, que se propõe a analisar os atos de sua mãe sem condenações, “Assassinato em Middle Beach” ultrapassa (e muito) as expectativas de um gênero tão em voga, focando tanto na resolução do crime-título quanto na celebração da vida da vítima em toda a sua complexidade. Não obstante, está longe de esgotar todo o seu material, abrindo boas possibilidades para uma segunda temporada.

Ficha Técnica

Ano: 2020

Número de Episódios: 04

Nacionalidade: EUA

Gênero: documentário

Criador: Madison Hamburg

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS