Por Luciana Ramos

 

A caminho do trabalho (palavra que se recusa a falar por crer ser uma maldição), Travis (Alexander Skarsgåard) ouve pela milésima vez a voz de Obie Garbeau II (Ted Levine) lhe dar instruções de como conquistar o mercado e se tornar rico. O primeiro passo, segundo a voz que sai da fita cassete, é largar a garantia de um emprego fixo, visto que este minaria a vontade de empreender. Assim, o rapaz loiro, alto e levemente patético em um fraque alugado que é grande demais para o seu corpo faz da sua demissão um espetáculo – que a grande maioria dos colegas acha risível, mas ele não percebe.

Logo depois, ele se envolve em um acidente para lá de bizarro e deixa a esposa Krystal (Kirsten Dunst) e a filha, Destinee, desamparadas. Muito mais cética do que o marido sobre o sistema FAM, onde suspostamente um americano poderia ficar rico revendendo produtos comuns (de detergentes a papel higiênico) a “linhas descendentes”, ela faz o possível para exigir do dono da organização reparos financeiros por tudo o que Travis investiu mas, além de não conseguir seu objetivo, se vê em uma situação cada vez mais delicada.

A pressão de perder sua casa leva a mulher a jogar as cartas da FAM em benefício próprio: ela, ao mesmo tempo tenta se desfazer do imenso estoque comprado pelo marido para forjar seus números de venda e se aproveitar da popularidade do esquema para atrair clientes para seu outro negócio, o Splashercize, uma combinação de dança e aeróbica aquática que retrata a cafonice típica dos anos 80/90.

Fonte: Showtime

A todo momento, a protagonista tem sua autoestima fragmentada por algum comentário alheio: ela é lembrada da sua inadequação, a falta de elegância, a pouca instrução formal. São falas como essa que revelam o classicismo americano, este atrelado à ideia de uma “imagem polida” pelos dirigentes da FAM. Por trás dos panos, porém, está um outro temor muito mais profundo: a noção exata de que Krystal parece farejar à distância a podridão da empresa, em especial o fato de que é praticamente impossível conquistar uma fortuna em um claro esquema de pirâmide.

Assim, a sua esperteza lhe torna perigosa e acentua um jogo de gato e rato entre ela – que é muito boa em convencer todos ao se redor a fazerem o que deseja – e os envolvidos no topo da hierarquia, que dependem do comprometimento dos membros da organização para a manutenção de suas fortunas pessoais.

No meio do jogo, está Cody Bonar (Théodore Pellerin), uma figura patética que usa a herança da família para investir cada vez mais no esquema, ansioso pelo reconhecimento do seu esforço por Obie. O estremecimento da relação com o pai implica a sua fragilidade emocional, sua necessidade de agradar uma figura que lhe dá pouquíssima importância. Seu senso de lealdade, exposto na devoção com que se abaixa quando o gestor milionário passa ou na animação em cumprir qualquer tarefa concede à FAM um embrulho típico de cultos. Em comum, há a falta de contestação (ainda que as pessoas vão à falência por isso), as apostas redobradas, a adoção de simbologias e o sacrifício constante em prol do modelo – aspectos bem fundamentados na jornada do pacato e inocente Ernie (o ótimo Mel Rodriguez), resistente a ideia de início mas que, uma vez comprometido, parece perder a sanidade.

Cody, por sua vez, possui um obstáculo para a devoção absoluta: Krystal. Além dela ser sua nova linha descendente, controlando uma rede distribuição de pessoas em patamar inferior, a mulher também representa o seu ideal amoroso – algo entre a paixonite e a carência. Portanto, cada desafio dela à estrutura representa um imenso dilema para ele.

Em “Como se Tornar uma Divindade na Flórida”, os showrunners Matt Lusky e Robert Funke traçam um ácido (e hilário) panorama do sonho americano, descrevendo-o como uma terra de oportunidades para espertos, sendo o topo reservado a quem souber se aproveitar melhor das pessoas – algo que a protagonista domina muito bem, como fica claro. Neste sentido, o que a retrai do “sucesso” é exatamente o seu senso de moral, que desponta ocasionalmente para alerta-lhe dos prejuízos que sua alçada pode provocar. Ademais, a sua determinação só é recompensada quando consegue provocar algum estrago, um ponto que reafirma a tese dos criadores da série.

Esta se beneficia imensamente do talento de Kirsten Dunst, que também atua como produtora executiva. Apesar de ser mais conhecida por papéis dramáticos, a atriz possui um excelente timing cômico (como já havia demonstrado na segunda temporada de “Fargo”) e sabe não só potencializar os diálogos como inserir pequenas gags visuais de deboche que são absolutamente hilárias. O mesmo trabalho corporal é realizado por Théodore Pellerin, que sabe alçar as falhas do seu personagem a um patamar tão esdrúxulo que se torna engraçado. Outro destaque vai para Beth Ditto, cantora da banda Gossip, que surpreende positivamente ao conceder uma performance aprofundada como a dona de casa Bets.

Balanceando a sordidez do esquema piramidal com um humor ácido e boas doses de bizarrice, a série diverte, engaja e nos faz ansiar por mais episódios. São personagens agradáveis e suas jornadas, embora difíceis, são trabalhadas com equilíbrio suficiente para despertar, ao mesmo tempo, o cinismo julgador de suas escolhas e a nossa torcida por resoluções positivas – ainda que estas não sejam muito prováveis dentro da FAM.

Ficha Técnica

Ano: 2019

Número de Episódios: 10 (por temporada)

Nacionalidade: EUA

Gênero: comédia

Criadores: Robert Funke, Matt Lutsky

Elenco: Kirsten Dunst, Théodore Pellerin, Beth Ditto, Mel Rodriguez, Ted Levine, Melissa de Sousa, Kevin J. O’Connor

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS