Por Luciana Ramos

Após o lançamento da inovadora e criativa “WandaVision”, a Marvel Studios retorna ao molde clássico em “Falcão e o Soldado Invernal”, apostando na profusão de cenas de ação e conservadorismo narrativo. Ainda assim, consegue debruçar-se em questões contemporâneas, como imigração e supremacia, através do mergulho existencial sobre o papel dos heróis e importância dos símbolos.

A série trabalha ao longo de seis episódios inúmeras facetas do significado da figura do Capitão América, questionando o tempo todo a sua importância institucional: enquanto para Sam Wilson (Anthony Mackie) o manto não valia nada sem a pessoa que o vestiu, Steve Rogers, para o governo americano sentia-se a necessidade de rapidamente escolher um substituto que “elevasse a moral” da sociedade. Apesar da pontuação sobre a solidez da carreira de John Walker (Wyatt Russell), pouco (ou nada) se investigou sobre sua conduta ética. Seu perfil impulsivo e violento poderia ser adequado ao campo de batalha, mas inevitavelmente viria a colidir com a expectativa social do seu papel.

Sam, por outro lado, abnegou-se de assumir o posto por questionar o peso de sua escolha: o quanto ele, ao assumir um símbolo até então branco, poderia sofrer racismo e suscitar convulsões sociais? Tendo em vista a história do seu povo, tão facilmente apagada dos anais americanos, ele deveria se submeter a tal missão? Essa discussão é embasada por pontos importantes da trama, como a recusa do governo americano em sequer convidá-lo para o papel e a jornada sofrida de Isaiah Bradley (Carl Lumbly), usado como experimento por órgãos oficiais em prol de vantagem geopolítica – ponto crucial da discussão, já que reflete realisticamente a amarga história dos Estados Unidos. Costurando os dois pontos de discussão (o simbólico e o racial) tem-se a trama dos Apátridas, que se estabelecem como principal ponto de oposição aos heróis.

Em meio à luta para garantir o legado patrimonial da sua família, Sam é alertado pelo soldado Torres (Danny Ramirez) para o surgimento de uma nova facção que possui como objetivo o retorno da sociedade para o período do blip, marcado pelo desaparecimento de metade da população mundial. Assim, caracterizam-se como um grupo criminoso que usa o terror para forçar sua agenda política, cometendo roubos e assassinatos para tanto.

Na visão da sua líder, a jovem Karli Morgenthau (Erin Kellyman), suas ações refletem uma necessidade de reparação histórica visto que, durante cinco anos, pessoas pobres e/ou refugiadas foram acolhidas pelos Estados – lhes foi dado emprego, teto, esperança – somente para serem escorraçadas após o retorno dos “donos” dos imóveis e vagas comerciais. Por isso, os Apátridas sentem que seu senso de propósito foi roubado por instituições como o GRC (Conselho de Repatriamento Global), alvo principal de vingança.

As interações entre Karli e Sam estabelecem pontos de convergência entre suas experiências – pontuado, por exemplo, pela dificuldade dele e da sua irmã Sarah (Adepero Oduye) conseguirem um empréstimo do banco – mas que divergem no modo como lutam por mudança social. Se a Apátrida vê no comprometimento dele com o governo certa subserviência, Zemo (finalmente introduzido como Barão) a enxerga como supremacista, visto a nítida divisão social que promove ao tomar e distribuir os soros de super soldados para posteriormente incitar a violência.

Sua reflexão segue diretamente a linha de raciocínio estabelecida em “Capitão América: Guerra Civil” com espaços para aprofundamentos, que levam o espectador compreender melhor as motivações do (agora) anti-herói. Zemo (Daniel Brühl) marca o ápice da série tanto no seu teor argumentativo – que reflete, inclusive, com a responsabilização dos heróis sobre as tragédias que infligem a outros, ponto que ecoa na jornada de Bucky (Sebastian Stan) – quanto cômico, vide o talento de Brühl em extrair o melhor de cada cena.

Conforme citado, uma vez recuperado, o ex-Soldado Invernal se vê obrigado a lidar com as consequências de seus atos e, após confundir reiteradas vezes os conceitos de vingança e justiça, enfim compreende e aceita melhor o seu passado, o que o leva a perceber as nuances da jornada de Wilson. Neste sentido, a bela cena em que ele flagra os sobrinhos do amigo brincando com o escudo do Capitão América é sucinta, porém eficaz no concernente à representatividade e, ao mesmo tempo, ao peso que tal legado poderia representar para um homem negro, argumento reforçado didaticamente na fala do próprio Sam a um senador do GRC no episódio final.

Esta, por sua vez, demarca o novo Capitão como um interlocutor mais presente e com melhor consciência do potencial expansivo do seu papel: não só de batalhas, mas também de debates. Ainda que seja pertinente e embale o fim da sua jornada, o diálogo excessivamente expositivo também quebra uma das primeiras regras de roteiro (mostre, não diga) e expõe um problema também aparente na produção televisiva anterior da Marvel: a dificuldade de encerrar seus temas, vide a grande preocupação com estabelecer possíveis ganchos com materiais posteriores.

Da súbita mudança de comportamento de John Walker – que caminha da egolatria para a rápida aceitação de um papel secundário ao final – à revelação quase anticlimática da identidade do Mercador do Poder, “Falcão e o Soldado Invernal” demonstra não saber equilibrar tantas frentes argumentativas e acaba optando por conclusões apressadas, que suscitam indagações sobre o quão fluida a série poderia ser caso tivesse aberto espaço para mais episódios.

Diante de tais problemas, a série perde um pouco do seu potencial catártico – vide a grande revelação ao final – mas permanece como uma obra interessante, disposta a abordar as jornadas de seus personagens em terreno mais intimista e pautado por questões identitárias (para ambos), caracterizando um bom avanço narrativo no território da Marvel, que ainda precisa aprender a fechar melhor as suas séries.

Ficha Técnica

Ano: 2021

Número de Episódios: 06 (por temporada)

Nacionalidade: EUA

Gênero: ação, super-herói, aventura, drama

Criador: Malcolm Spellman

Elenco: Anthony Mackie, Sebastian Stan, Daniel Brühl, Erin Kellyman, Wyatt Russell, Danny Ramirez, Adepero Oduye, Emily VanCamp

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS