Por Luciana Ramos

Diante da inesgotável propensão humana à autodestruição, não é de se estranhar o interesse de Terry Pratchett e Neil Gaiman (entusiasta de mitologias e concepções religiosas) pelo Armagedon. Descrito na Bíblia como a batalha final entre o Reino dos Céus e dos Homens, ele embasa a ideia da extinção da vida que conhecemos como consequência do comportamento vil e irresponsável dos últimos, prova do seu não-merecimento.

Adaptá-lo aos tempos atuais poderia ser uma tarefa ardilosa, mas os autores tiraram de letra, mesclando pequenas ironias, idiossincrasias e muito deboche a temas como conciliação e afetuosidade, formando uma mensagem tão essencial quanto (infelizmente) desprezada. Prova disso foi a polêmica em que “Good Omens” se envolveu ao estrear: grupos conservadores clamaram pelo seu cancelamento – ignorando tanto que se tratava de uma minissérie quanto de que não era uma produção da Netflix, como disseram, mas da Amazon Prime. Esta exaltação ignorante e barulhenta só serviu para reforçar o caráter relevante da obra, cuja fruição seria ainda mais essencial aos que promovem separatismo e ódio sem, ao menos, se proporem a entender o que questionam.

A trama delineia os elementos essenciais do fim dos tempos a partir da ótica do anjo Aziraphale (Michael Sheen) e do demônio Crowley (David Tennant). Opostos desde sempre – tendo um sido o guardião do Éden e o outro a personificação da cobra que oferece a maçã a Eva – eles desenvolveram ao longo do tempo não só uma amizade verdadeira como também profunda afeição pelos homens e seus dilemas. Assim, quando descobrem que o filho do Satã foi enviado a Terra, os dois resolvem se unir para tentar interromper o Armagedon sem que seus superiores saibam.

Uma série de sucessivos (e hilários) erros, porém, os levam a concentrarem suas atenções no jovem Warlock (Samson Marraccino), filho de um diplomata americano. Isto acaba deixando o caminho livre para Adam Young (Sam Taylor Buck) crescer em paz, vivendo normalmente no interior da Inglaterra onde arquiteta aventuras com Pepper (Amma Ris), Wensleydale (Alfie Taylor) e Brian (Ilan Galkof).

No seu aniversário de onze anos, ele vocaliza o desejo de ganhar um cachorro e é presenteado pelo Inferno pelo cão-besta, devidamente disfarçado de filhote. Este evento tão mundano e aparente sem significado para seus amigos inicia a contagem regressiva para o término da humanidade, conduzindo Aziraphale e Crowley a um processo investigativo do paradeiro do Anticristo; não obstante, são obrigados a prestarem contas pela incompetência conjunta.

Já Adam, até então um garoto inocente e travesso, começa a experimentar seus poderes, desencadeando fenômenos perversos ao ler revistas de teorias da conspiração. Estas são entregues por Anathema Device (Adria Arjona), descendente da bruxa Agnes Nutter, cujas profecias “justas e precisas” amarram a narrativa. No seu encalço está o jovem azarado Newton Pulsifer (Jack Whitehall), descendente de Não-Cometerás-Adultério Pulsifer, homem responsável por queimar Nutter na fogueira.

A trama trabalha a oposição entre a progressão dos eventos finais (envolvendo-os em um ar de inevitabilidade) a jornada tortuosa dos personagens que, em comum, desejar deter o Fim. De maneira inteligente, cada um é apresentado com objetivos de caráter individual e específico que, ao se complementarem, alteram o desenrolar dos acontecimentos. Juntos, eles acabam revelando muito sobre a complexidade do espírito humano: Adam, descrito no Céu e no Inferno como a Besta, não passa de um menino comum, com anseios e frustrações, que pode oscilar para o bem ou para o mal de acordo com a sua interpretação dos fatos. Ainda que “gerados” de maneira maniqueísta, assim também são o anjo e o demônio, que se mostram contraditórios, mas, acima de tudo, empáticos um ao outro; o mesmo ocorre com as duplas Anathema X Newton e Shadwell (Michael McKean) X Madame Tracy (Miranda Richardson).

É possível, para Pratchet e Gaiman, abarcar em si conceitos tão distintos como o bem e o mal, nivelados pela convivência pacífica com as diferenças. Como obstáculos, estão a desinformação, a caça às Bruxas (literal e figurativa) e a belicosidade – tão preciosamente trabalhada na ânsia de anjos como Miguel (Doon Mackichan) e Gabriel (Jon Hamm), que deveriam representar a Celestialidade, em lutar a qualquer custo em uma guerra desnecessária e brutal simplesmente para terem o prazer de vencer. A Guerra (Mireille Enos) é também apresentada como uma dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse, somando-se à Fome (Yusuf Gatewood), Morte (Brian Cox) e Poluição (substituta contemporânea da praga;Lourdes Faberes) como grandes mazelas da humanidade.

Esta argumentação racional, fio condutor narrativo, torna-se infinitamente mais atraente por conta do potencial imaginativo de Pratchett e Gaiman, responsáveis pela adaptação do material literário para a televisão. Há ao mesmo tempo a apreciação intelectual pela criatividade dos nomes, das coincidências e de algumas mudanças de expectativas, como o apelo cômico direto, fruto do absurdo, da insensatez e da estupidez que só os homens (e alguns anjos) são capazes.  

Cabe ressaltar que o sucesso desta produção é indissociável dos seus atores principais. Na pele de Crowley, David Tennant explora o cool e rock and roll, contrastando o ar descolado ao desespero que o acomete mais frequentemente que gostaria. Seu oposto cômico, Aziraphale, é construído com maestria por Michael Sheen, que o imbui de trejeitos engraçados, pequenos tiques e um temor do castigo que o leva a, invariavelmente, errar – mesmo que seja por boa fé.

Juntos, eles demonstram talento em saber dosar as emoções de seus personagens, tornando-os ricos e interessantes, que conseguem segurar a trama mesmo quando ela oscila em ritmo. Esta, mesmo com algumas poucas falhas, como a falta de aprofundamento dos Cavaleiros do Apocalipse, consegue entregar um produto de entretenimento extremamente engraçado e palatável sem deixar de lado a pungência de uma mensagem que se torna cada vez mais relevante: para evitarmos nossa extinção, mesmo sem a interferência dos polos religiosos distintos, precisamos nos desarmar, nos respeitar e nos unir.

Ficha Técnica

Ano: 2019

Número de Episódios: 6

Nacionalidade: Inglaterra, EUA

Gênero: comédia, fantasia

Criadores: Neil Gaiman, Terry Pratchett

Elenco: Michael Sheen, David Tennant, Frances McDormand, Jon Hamm, Sam Taylor Buck, Adria Arjona, Jack Whitehall, Michael McKean

Trailer:

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS