Por Luciana Ramos

É interessante observar um traço cultural em comum entre os subúrbios americanos e as classes abastadas brasileiras: a manutenção das aparências. Em tais ambientes sociais, por todo o tempo ostenta-se, compete-se, medem-se uns aos outros por réguas criadas e mantidas por gerações – seja a caridade como instrumento de confirmação de “bondade”, contraposta à indiferença às injustiças fora da bolha, seja a manutenção de um padrão de beleza ou na apresentação de uma casa bonita e limpinha.

Este jogo é, na grande maioria das vezes, velado; afinal de contas, estas pessoas não querem ser reconhecidas ou responsabilizadas por seus erros.  Ao escrever o romance “Pequenos Incêndios a Toda Parte”, Celeste Ng escancara a hipocrisia a partir do encontro de duas mulheres muito diferentes, uma sob a pressão das conformidades sociais – e que obriga todos ao redor a fazerem o mesmo – e uma que decide viver segundo as próprias regras, mas não é tão livre quanto aparenta.

Ao avistar um Chevette antigo e meio sujo com duas mulheres negras dentro, a primeira reação de Elena Richardson (Reese Withersppon) é notificar o xerife, pois “se sentiria terrível se algo acontecesse”. Logo após, ao reconhecer o carro quando apresenta uma propriedade de família à Mia Warren (Kerry Washington) e sua filha Pearl (Lexi Underwood), ela oferece um desconto no aluguel já que, na sua mente, a “boa ação” a eximiria da culpa por ter agido de forma racista – e, doravante, de qualquer de mudança de conduta.

De fato, ela adora falar da luta da sua família pela inclusão de Shaker: nos Estados Unidos, algumas cidades e comunidades eram oficialmente segregadas e as famílias afro-americanas que almejaram morar em tais lugares após a derrocada dessas leis sofreram repressão, violência e perseguição dos próprios vizinhos. Shaker, segundo Elena, caminhou em oposição e agregou famílias de origens e etnias diversas, tornando-se um modelo de comunidade.

A falácia de tal narrativa desmonta-se a cada pequena contravenção ou ação que desafie o status quo: na forma de multas pela grama estar muito alta ou o desprezo de discutir sobre vaginas em um clube do livro, nas mulheres negras que veem pessoas brancas segurarem a bolsa ao vê-las, no sofrimento infindável de Izzy (Megan Stott) por ser nitidamente diferente dos colegas – rebelde, artística, desafiadora e gay.

As adequações sociais carregadas como bandeiras são postas à prova pelo incômodo gerado com a presença de Mia na cidade e a consequente obstinação de Elena em investigar o seu passado até encontrar algo que justifique seu sentimento. Na interação entre as duas, a mulher branca e rica conquista Pearl por oferecer uma fagulha do conforto e segurança que uma vida como a sua pode oferecer, o que causa à adolescente refletir sobre os segredos que sua mãe esconde.

A sua convivência da garota com Trip (Jordan Elsass), Moody (Gavin Lewis) e Lexie (Jade Pettyjohn) também escancara o privilégio branco em diferentes dimensões, já que o garoto mais novo, ao tentar conquistá-la, trata-a como se fosse sua posse (algo proferido pela própria irmã, Izzy) e a mais velha do clã, Lexie, sente-se mais do que à vontade para se apossar da história, do sofrimento e do nome de Pearl quando lhe é necessário para não “queimar seu filme” perante os colegas. Por outro lado, Izzy, que se sentia perdida e desolada, vê no talento artístico e na capacidade de enfrentamento de Mia a esperança de que as coisas possam melhorar para ela quando sua vida escolar – e o bullying – enfim terminarem.

Do ponto de vista racial, há ainda o debate sobre a criança May Ling e a disputa pela sua guarda entre uma mãe (Lu Huang) que a abandonou por pura necessidade e outra mulher (Rosemarie DeWitt), que a acolheu e amou, mas é incapaz de reconhecer a sua raça. Neste ponto, a escolha de colocar biscoitos da sorte (uma invenção americana) como aperitivo tipicamente chinês no aniversário da menina é bastante significativo.

Conforme os episódios da minissérie adaptada por Liz Tigelaar e produzida por Reese Witherspoon se desenrolam, escancaram-se os diferentes tipos de pressão impostas a todos os personagens e desafiam-se as noções de certo e errado conforme segredos e desavenças entre ação e fala vão se revelando. Não se trata, portanto, de uma obra maniqueísta – embora seja sutil o bastante para ser uma experiência leve e viciante – mas uma que convida para a observação e reflexão. Ademais, é a última obra de Lynn Shelton, diretora que fez seu nome na televisão (“LOVE”, “GLOW”, “Master of None”) e infelizmente faleceu recentemente mas pôde, em “Little Fires Everywhere” (onde também serviu como produtora executiva), exprimir o seu talento ao criar a concepção visual da minissérie, destacando a imponência em planos abertos, a emoção nos closes e a hipocrisia na sutileza dos planos de detalhes.

Ficha Técnica

Ano: 2020

Número de Episódios: 8

Nacionalidade: EUA

Gênero: drama

Criadora: Liz Tigelaar

Elenco: Kerry Washington, Reese Witherspoon, Lexi Underwood, Joshua Jackson, Rosemarie DeWitt, Jade Pettyjohn, Megan Stott

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS