Por Luciana Ramos

 

Em uma pequena cidade americana, jovens mulheres desaparecem ou são mortas. O peso da violência é carregado por toda a cidade, potencializado pela estagnação do lugar: são pessoas desiludidas, consumidas pela tristeza, trauma ou envolvimento com drogas.

Em meio à sobriedade melancólica dos arredores congelantes, Mare Shehaan (Kate Winslet), detetive encarregada dos casos, é responsabilizada pelos habitantes do local pela falta de resolução deles. Seu andar vacilante, combinado a expressões frias que denotam sua falta de paciência revelam a estagnação de alguém que, assim como os demais, sente-se imersa pelo luto e é incapaz de seguir em frente. Para piorar, carrega o estigma do brilho de um lance esportivo feito há vinte e cinco anos. O lampejo genial seria ignorado em lugares com mais perspectivas, mas, como ela mesmo nota, em Easttown um ato acima da média representa algo a mais.

A minissérie da HBO desenrola-se em vias complementares: o suspense investigativo, girado em torno da morte da mãe adolescente Erin McMenanim (Cailee Spaney), e um drama social que se desdobra no estudo dos personagens da cidade. O título “Mare of Easttown” explicita a dicotomia da protagonista – enquanto alguém singular daquela comunidade e, ao mesmo tempo, seu produto direto, um fenômeno que pode se repetir em realidades semelhantes de outras partes do país. Aponta-se, com isso, uma América mais sombria, empobrecida e disfuncional que o comumente mostrado em produtos audiovisuais, fruto do frio desprendimento de seu criador, Brad Ingeslby.

Os eventos de Easttown costuram pequenas peças de quebra-cabeça que, mesmo quando aparentemente desprovidas de conexão causal, contribuem para a solução do mistério principal, revelando-se um excelente exercício do gênero policial, com destaque para o eletrizante quinto episódio. Muito mais interessante, no entanto, é a relação travada entre a protagonista e os inúmeros cidadãos que ela investiga, com quem cresceu e flutuam ao seu sabor de acordo com o desenrolar dos casos.

De caráter aparentemente impenetrável, Mare oferece um tratamento endurecido e, por vezes, injusto, aos demais – nem poupando o próprio ex-marido ou outros membros da família – mas, conforme a minissérie preocupa-se em desvendar, trata-se de camadas de traumas soterrados pela inadmissibilidade do seu próprio luto, jornada forçada a encarar a partir de eventos externos. Um aspecto entre os inúmeros interessantes da produção é o reflexo do desleixo com a própria vida na falta de coloração do seu cabelo, detalhe que reforça a qualidade da obra.

Dois personagens atuam como catalisadores do seu processo de transformação. O detetive Colin Zobel (Evan Peters) a surpreende pelo interesse genuíno em ajudá-la (além da devoção a ela), levando Mare a reconfigurar sua perspectiva não só sobre o caso, mas sobre si mesma. Já o escritor Richard (Guy Pearce) oferece lampejos sobre sua sexualidade e sensibilidade, lembrando-a que existe algo além da brutalidade escolhida como camuflagem.

Ao conciliar o avanço da narrativa criminal ao delicado e complexo estudo da personagem principal e suas circunstâncias, “Mare of Easttown” aborda o peso dos acumulados traumas de maneira pungente. Conecta ainda a falta de perspectiva social e a violência como ciclos difíceis a serem quebrados, vide o relacionamento da vítima Erin com os diversos homens em sua vida. Ao final, surpreende mais uma vez ao optar por um caminho de compreensão, abertura e compaixão, oferecendo entendimento e perdão em contraponto à dor.

Não obstante, a minissérie consegue oferecer pequenos vislumbres de comédia na relação entre Mare e sua mãe Helen, servindo para contrabalançar o peso da obra e, no caminho, explorando o timing cômico da sempre excelente Jean Smart. Em uma miríade de ótimas performances destaca-se o trabalho impecável de Kate Winslet, elogiada pela precisão do seu sotaque, um dos inúmeros pontos de um trabalho extremamente detalhista. Este é focado na contraposição do peso corporal de Mare (seu caráter arrastado e sem motivação) a sutileza com que reage aos demais personagens – por vezes captando uma pista ou mentira; em outras, apenas o cinismo. Invariavelmente a contragosto, acaba expondo facetas que não desejava mostrar.

Diante da complexidade com que consegue destilar uma premissa ao seu nível máximo, “Mare of Easttown” revela ser muito mais do que aparenta e firma-se como uma das melhores minisséries do ano. É mais um sucesso da parceria entre a HBO e Winslet, que há dez anos ofereceu um retrato sensível de uma mulher batalhadora em “Mildred Pierce” e agora brilha ao se propor a abarcar mais uma vez as complexidades de uma personagem tão falha quanto interessante.

Ficha Técnica

Ano: 2021

Número de Episódios: 7

Nacionalidade: EUA

Gênero: drama, policial

Criador: Brad Ingelsby

Elenco: Kate Winslet, Julianne Nicholson, Jean Smart, Guy Pearce, Evan Peters, Angourie Rice, John Douglas Thompson, Joe Tippett

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS