Por Andressa Araújo

Envelhecer faz parte da vida. Essa verdade, na qual muitos evitam pensar, é o cerne de “O Método Kominsky”, a nova série da Netflix. Estrelada por Michael Douglas, a produção traz uma comédia agridoce digna de maratona.

A narrativa criada por Chuck Lorre (“The Big Bang Theory” e “Two and a Half Men”) gira em torno da amizade entre Sandy Kominsky (Douglas), um professor de teatro que teve um breve flerte com o sucesso, e o caça-talentos Norman (Alan Arkin), que acaba de perder a esposa (Susan Sullivan). O relacionamento dos dois se estreita após o trágico acontecimento, o que leva ambos a enfrentarem os desafios da terceira idade juntos.

Está aí o ponto alto da série. Com muito bom humor – e algumas piadas ácidas – a dupla percorre terrenos delicados, como a morte, a vida e relacionamentos interpessoais, problemas comuns a qualquer pessoa. Uma consulta ao urologista (Danny DeVito) ou um encontro amoroso trazem reflexões que facilitam a identificação do público com os personagens. Douglas e Alan mostraram que são ainda melhores contracenando lado a lado.

A química entre o protagonista e seu coadjuvante, no entanto, não disfarçou a falha no roteiro de não trabalhar as histórias secundárias. O vício em drogas de Phoebe (Lisa Edelstein) e os próprios alunos de Sandy ficaram em segundo plano, tornando-se facilmente esquecidos. Lisa (Nancy Travis), divorciada e mãe de um adolescente, limitou-se a ser o par romântico de Sandy. Uma pena, pelo potencial que ela e outros personagems incrementariam à série.

No entanto, “O Método Kominsky” vai muito além de uma boa sitcom, com falhas que podem ser consertadas caso haja uma nova temporada. A segunda produção de Lorre para a Netflix (depois de “Disjointed”) consolida ainda mais o espaço dos idosos no streaming, já muito bem representado por “Grace & Frankie”, disponível na mesma plataforma. Na nova série, Norman e Sandy são respeitados, seja pelo sucesso profissional, seja pela inteligência que transborda pelos diálogos.

Com nomes como DeVito, Elliott Gould e Ann-Margret no elenco de apoio, “O Método Kominsky” foi um boa finalização de ano para a Netflix, uma vez que a gigante terminou 2018 lançando uma produção que já possui três indicações ao Globo de Ouro. Ao espectador, por sua vez, fica à disposição uma obra profunda e que, ao mesmo tempo, é capaz de fazer o público dar risada até de um funeral.

Ficha Técnica

Ano: 2018 – (em andamento)

Número de episódios: 8 episódios (1ª temporada)

Gênero: Comédia

Criador: Chuck Lorre

Elenco: Michael Douglas, Alan Arkin, Sarah Baker, Nancy Travis

Trailer: 

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS