Por Luciana Ramos

 

Ao longo de sete anos, “The Good Wife” tornou-se um símbolo de excelência da dramaturgia americana recente. No centro, estava Alicia Florrick que, depois de ser humilhada publicamente pelas ações do marido político, se viu obrigada a retomar a carreira de advogada na firma Gardner & Lochkart. Com uma estrutura de episódios bem definida, a série se apresentava como um drama legal refinado…até que, na última cena do episódio final, uma atitude da protagonista muda completamente a interpretação dos espectadores sobre a sua jornada – uma escolha ousada dos criadores Michelle e Robert King que elevou o material escrito até o momento.

Perifericamente às experiências de Alicia, estavam os casos legais que sua firma assumia, conflitos com outros setores do sistema jurídico e até a revelação dos mecanismos mais podres do governo americano, como a vigilância irrestrita do NSA (Agência de Segurança Nacional), órgão denunciado durante o Governo Obama. A inclusão de temas latentes à sociedade compunha o verdadeiro atrativo de “The Good Wife”: mais do que uma história individual, o seriado foi, durante seus anos de exibição, um registro da condução da sociedade americana.

Por isso, seu término foi encarado com pesar pelos seus fãs. Tendo em vista a lacuna deixada pela atração, a CBS decidiu apostar em um spin off, feito exclusivamente para o seu canal de streaming CBS All Acess (e exibido no Brasil pela Amazon Prime). “The Good Fight” manteve personagens adorados como Diane Lockhart (Christine Baranski), Lucca Quinn (Cush Jumbo) e Marissa Gold (Sarah Steele), agora exercendo suas funções em um novo ambiente: o escritório Reddick, Boseman & Kolstad.

A primeira temporada começa com Diane fazendo planos para uma luxuosa aposentadoria. A explosão de um escândalo comandado pelo economista Henry Lindell (Paul Guilfoylle), que fraudou investimentos e roubou dezenas de pessoas, afeta-a diretamente. Forçada a voltar ao trabalho, ela é contratada por Adrian Boseman (Delroy Lindo), advogado que oscila entre o ativismo que o torna conhecido e os casos menores, mais lucrativos, que sustentam sua firma. Suas ideias o levam ao conflito incessante com a sua sócia, Barbara Kolstad (Erica Tazel), que não vê com bons olhos a chegada de Diane.

 

 

Esta, por sua vez, conta com o apoio de Marissa, filha de Eli Gold, que vira sua assistente, e Maia Lindell, filha de Henry e sua afilhada. Recém-formada em Direito, esta vê no novo emprego a oportunidade de superar o escândalo familiar. Com a inserção desta personagem, “The Good Fight” desloca-se da estrutura da série predecessora, centrando sua primeira temporada essencialmente nos dramas familiar e jurídico de Maia. Os demais casos legais e personagens assumem papel periférico na composição narrativa.

Esse plano, no entanto, não rendeu bons frutos por razoes óbvias, sendo a maior o delineamento deficitário da protagonista. Ela é dotada de tamanha ingenuidade que ignora sinais claros ao seu redor, um recurso que visa estender a trama, mas se mostra rapidamente cansativo. Não obstante, falta a atriz que a interpreta, Rose Leslie, uma presença forte e imponente, atributo imprescindível de uma personagem com seu peso. Por fim, perdeu-se, nessa empreitada, o afinco em debater temas relevantes.

A repercussão morna levou os criadores a reformularem totalmente a série na sua segunda temporada, trabalhando bem com elementos diversos que concederam peso a narrativa. Barbara Kolstad foi substituída por Liz Reddick, uma interessante adição tanto pelo talento e sofisticação de Audra McDonald quanto pelo passado que a personagem compartilha com Adrian, criando assim um ponto de tensão. Ela ainda serve de contraponto à Diane, ora sua amiga, ora sua inimiga, estabelecendo essas duas personagens femininas de peso como forças-motriz da série.

Ao passo que Lockhart ganha muito mais destaque, Maia é relegada a suas funções de advogada, uma dinâmica que funciona muito melhor, em especial quando acompanhada de Marissa e Lucca – um trio baseado na amizade que serve para suavizar o peso dramático. Em seu romance instável romance com o promotor Colin Morello (Justin Bartha), Quinn ainda contribui como alívio cômico – e a interação dos dois, em especial quando envolve a mãe dele, proporcionam algumas das melhores cenas.

 

 

Todos esses elementos são trabalhados na lógica dual comum a dramas de tribunais: a intersecção entre casos que se resolvem em um único episódio com uma trama que costura toda a temporada. Esta explora uma ideia provocativa: a de um serial killer que prega a morte de todos os advogados. A tensão criada afeta direta ou indiretamente todos os personagens, levando-os a tomarem atitudes mais drásticas frente as situações que se apresentam.

As mudanças estruturais feitas pelos criadores incluíram a reincorporação do debate de temas atuais e bastante polêmicos, como a extradição dos chamados “dreamers” (cidadãos não americanos que imigraram para o país ainda pequenos), micro direcionamento de informações em redes sociais, fake news e a ascensão da extrema direita, entre outros. O tratamento desses assuntos é feito sob a ótica dos democratas (levando-se em conta a separação partidária americana), que constituem a maioria dos personagens – somente constestados por Julian (Michael Boatman), que sofre recriminações dos colegas por ser republicano.

O jogo político tecido pela série, acirrado pela inclusão do impeachment do presidente Trump como pauta, concedeu à “The Good Fight” relevância pelo posicionamento claro dos seus criadores contra o atual governo americano. Enquanto outros seriados ensaiam críticas esparsas a Donald Trump e “Roseanne” fracassou em advogar por sua defesa (sendo cancelado após um escândalo no Twitter), Robert e Michelle King foram um (ousado) passo além, declarando-se abertamente contra os rumos tomados pelos Estados Unidos desde a última transição eleitoral e, semana após semana, estabelecendo-se como uma oposição clara e muito bem articulada.

Apesar de debater temas essenciais à realidade americana, a série se mostra extremamente interessante ao público brasileiro. Em primeira instância, há a universalidade de alguns debates, como a manipulação de informações via redes sociais e os perigos de relativismos éticos, facilmente notados na nossa construção social e política. Em um patamar menos racional, mostra-se um excelente drama, unindo tensão, suspense, conflitos interpessoais, pitadas de cinismo e muito humor em um caldeirão muito interessante. A segunda temporada de “The Good Fight” levou a série a um patamar elevado de entretenimento, que merece ser visto pela elegância e inteligência com que Michelle e Robert King debatem a sociedade americana através do microcosmo de uma firma de advocacia.

 

Pôster

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ficha Técnica

 

Ano: 2017 – (em andamento)

Número de Episódios: 10 (por temporada)

Nacionalidade: EUA

Gênero: drama

Criadores: Robert King, Michelle King

Elenco: Christine Baranski, Rose Leslie, Cush Jumbo, Delroy Lindo, Sarah Steele, Nyambi Nyambi, Justin Bartha, Michael Boatman, Erica Tazel, Audra McDonald

 

Trailer:

 

 

Imagens:

 

 

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS