Por Melissa Vassalli

“Você” é a série que todos estão amando odiar. Distribuída pela Netflix, a produção conta a história de Joe (Penn Badgley), um gerente de livraria que, para conquistar Beck (Elizabeth Lail), uma aspirante a escritora, lança mão de medidas extremas, como perseguição, mentiras, manipulação e violência – indicativos claros de comportamento abusivo.

O sentimento contraditório não é por acaso. Conhecemos os fatos pelo ponto de vista dele através de uma narração em off que preenche todos os episódios. Este recurso tende a ser problemático, pois pode levar a uma redundância entre o texto e a imagem, mas aqui é utilizado deliberadamente, e com bastante eficácia, para nos aproximar de Joe. Uma vez dentro da mente do personagem, precisamos lidar com duas personalidades distintas em uma mesma pessoa. Uma delas é o homem charmoso, sedutor e atencioso; a outra, o stalker perturbado.

A série se preocupa em mostrar como pessoas abusivas podem ter uma vida funcional, sem deixar transparecer de imediato suas piores intenções, mas evita fazer julgamentos, deixando essa responsabilidade para o público. Em certa medida, ela reproduz na relação espectador-personagem o mesmo padrão existente no relacionamento entre Beck e Joe. Essa é uma abordagem interessante, mas também perigosa, pois falta um contraponto ao protagonista dentro da própria série, já que praticamente todos ao seu redor que o questionam também demonstram conduta duvidosa.

Visualmente, o que mais se destaca é a fotografia excessivamente amarelada, que representa uma alteração do real e condiz com o desequilíbrio mental do personagem principal. Uma iluminação quente tende a trazer a sensação de aproximação e afeto, mas no contexto dado, evoca uma ideia de sufocamento, reforçando a paixão obsessiva por Beck. Há também o uso frequente de pouca profundidade de campo, criando um jogo de focar e desfocar os personagens, o que se alinha com tema principal do seriado, olhar e observar o outro.

“Você” tem, de fato, uma boa qualidade técnica. Algumas situações inverossímeis são facilmente superadas por sua agilidade narrativa e pelas ótimas atuações. O desfecho pode ser frustrante para quem espera algum senso de justiça, mas a série entrega aquilo que prometeu no início: não esconde as atitudes erradas do protagonista, mas também não se preocupa em puni-lo. Poderia ter sido desenvolvida como uma minissérie, porém, um plot twist no final deixa o gancho para a segunda temporada, já confirmada, e que promete um mergulho maior no passado obscuro de Joe.

Ficha Técnica

Ano: 2018

Número de Episódios: 10 (por temporada)

Nacionalidade: EUA

Gênero: suspense, drama

Criador: Greg Berlanti, Sera Gamble

Elenco: Penn Badgley, Elizabeth Lail, Shay Mitchell, John Stamos, Luca Padovan, Zach Cherry

Trailer:

Imagens:

Avaliação do Filme

Veja Também:

Only Murders in the Building – Primeira Temporada

Por Luciana Ramos Um bom mistério desenrola-se como uma cebola, camada a camada, diz a narração de “Only Murders in...

LEIA MAIS

Nove Desconhecidos

Por Luciana Ramos   O Tranquillum House é um lugar grande, luxuoso, etéreo e cercado por natureza. No roteiro do...

LEIA MAIS

The Chair

Por Luciana Ramos   As universidades são, por concepção, fomentadoras de discussões que servem para cultivo do pensamento crítico. O...

LEIA MAIS